Jerónimo diz que acordo com PS está "bem encaminhado"

Secretário-geral do PCP recusa revelar detalhes das negociações com os socialistas

O secretário-geral do PCP disse hoje que o acordo com o Partido Socialista está "bem encaminhado", mas escusou-se a revelar qualquer conteúdo das negociações, acrescentando "não fazer futurologia" sobre um entendimento a quatro anos.

Em entrevista à TVI, Jerónimo de Sousa reiterou que estão reunidas todas as condições para que o PS forme um Governo à esquerda, para dessa forma "afastar PSD/CDS-PP do poder", o que, no seu entender "já não será coisa pequena".

Questionado, por diversas vezes, sobre as matérias em discussão e que tipo de acordo é que está a ser trabalhado nas reuniões bilaterais em curso entre PCP e PS, o líder comunista escusou-se sempre a responder, justificando que se o fizesse "estaria a ser desleal" com o Partido Socialista.

"Existe a possibilidade real de o PS formar Governo e o PCP está fortemente empenhado nessa solução. Mas não vou avançar com conteúdos porque estaria a ser desleal", frisou Jerónimo de Sousa, dizendo que o PCP está neste processo negocial com os socialistas "de boa-fé, com honestidade e seriedade".

Alguns órgãos de comunicação social noticiaram hoje que o acordo em discussão pelos três partidos de esquerda apenas garante um dos quatro anos da legislatura.

Confrontado com esta possibilidade e se o acordo em discussão dá garantias para toda a legislatura, Jerónimo de Sousa afirmou que, da parte do PCP, "há essa disponibilidade", mas sublinhou que não faz "futurologia", garantindo que o partido é imune a pressões e que decidirá sempre autonomamente.

O líder comunista disse ainda que nestas negociações com o PS não está a ser abordada a hipótese de membros do PCP ocuparem lugares no Governo.

"Para nós estar no Governo não é determinante neste processo. Não andamos à procura de lugares de poder nem de favores de ninguém. Não abdicamos da nossa identidade, do nosso projeto em troca de qualquer parcela de poder", vincou Jerónimo de Sousa.

O líder comunista salientou que o principal objetivo é derrotar o Governo e a política de direita, e encontrar uma solução política para o povo português.

O secretário-geral do PCP revelou que não houve contactos com o PS antes das eleições, e que a primeira abordagem partiu dos socialistas a 07 de outubro.

Jerónimo de Sousa espera que o Presidente da República chame António Costa para formar Governo, após a queda do executivo liderado por Pedro Passos Coelho, na sequência da moção de rejeição já anunciada pelos três partidos de esquerda, assim que a coligação PSD/CDS-PP apresentar o seu programa de Governo.

Caso isso não venha a acontecer, o dirigente comunista diz que Cavaco Silva será o responsável pela instabilidade que um Governo de gestão terá "durante meses a fio", quando tem uma alternativa estável.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.