Jerónimo de Sousa: "Não peçam ao PCP que seja peninha no chapéu"

No final da reunião do secretariado nacional do partido, Secretário-geral do PCP nega mudança de atitude para com governo após as autárquicas mas também avisa que partido defenderá a sua agenda

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, recusou que o resultado da coligação PCP-PEV nas eleições autárquicas, em que a CDU perdeu uma dezena de autarquias, leve a uma mudança de atitude em relação ao acordo que permite ao PS governar o País.

Falando aos jornalistas à saída da reunião do secretariado nacional do partido, em Lisboa, Jerónimo de Sousa afastou a ideia de que os resultados eleitorais possam levar a CDU a adotar uma estratégia mais agressiva para com o PS ou mesmo a forçar a realização de eleições legislativas antecipadas, considerando que, de há dois anos para cá, graças ao acordo das esquerdas, o país vive uma "nova fase da vida política", em que têm vindo a ser "repostos rendimentos, direitos e até esperança".

Para o secretário-geral do PCP, só se o PS decidir "andar para trás" em algumas das medidas tomadas se poderá colocar o cenário de uma crise dessa ordem, pelo que deixou essencialmente nas mãos dos socialistas a manutenção deste governo até ao final da legislatura.

Isto frisou, não significa que não existam "diferenças de fundo" entre os partidos, ou que o PCP não pretenda oferecer "uma política alternativa e uma alternativa política" ao PS, pelo que, avisou, também não deverão contar com o partido para apoiar de forma acrítica as medidas e propostas do governo, nomeadamente no debate orçamental que se avizinha.

"Não peçam ao PCP - que nunca teve jeito para isso - que seja peninha no chapéu", alertou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".