Jerónimo de Sousa defende necessidade de efetivar integração de precários

O secretário-geral do PCP defendeu na sexta-feira à noite a necessidade de o Programa de Regularização Extraordinária dos Vínculos Precários da Administração Pública ser efetivado na administração pública, com a integração dos trabalhadores com "funções permanentes".

"É agora necessário que em todos os serviços da administração pública o programa seja efetivado, integrando com vínculo efetivo todos os trabalhadores que exercem funções permanentes, independentemente da forma que assumam os vínculos precários atuais", disse Jerónimo de Sousa em Alcácer do Sal, no distrito de Setúbal.

O prazo para os trabalhadores precários do Estado submeterem o requerimento para regularizarem o vínculo junto da administração pública terminou na sexta-feira, no âmbito do Programa de Regularização Extraordinária dos Vínculos Precários da Administração Pública (PREVPAP).

O ministro do Trabalho estimou na sexta-feira que fique em cerca de 22 mil o número de trabalhadores precários do Estado que apresentaram um requerimento para solicitar a sua integração nos quadros da administração pública.

"Este é um facto que não podemos deixar de assinalar. Foi preciso muita luta para aqui chegar", destacou o secretário-geral do PCP, que prometeu continuar "o combate" à precariedade laboral, referindo-se ainda ao setor privado.

O líder partidário propõe para isso a "adoção de um Programa Nacional de Combate à Precariedade e ao Trabalho Ilegal", sugerindo "eliminar as normas existentes" que considera facilitarem "a contratação das mais diversas formas de trabalho precário".

"Em relação à precariedade laboral, temos consciência que estamos ainda longe das soluções que se impõem nesta matéria, designadamente no setor privado", disse.

Jerónimo de Sousa falava durante a cerimónia de apresentação da lista de candidatos pela CDU à Câmara Municipal de Alcácer do Sal, liderada pelo atual presidente do município, Vítor Proença, que se recandidata ao cargo, bem como dos cabeças de lista a todos os restantes órgãos autárquicos do concelho do litoral alentejano.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?