Jardim do Campo Grande será inaugurado no dia 25 de abril

A obra devia ter acabado a 12 de janeiro e o vereador José Sá Fernandes explicou que o atraso se deveu "à inauguração da piscina"

A zona sul do Jardim do Campo Grande, que foi intervencionada, será inaugurada a 25 de abril, anunciou esta quarta-feira o vereador José Sá Fernandes, que tem o pelouro do Ambiente da Câmara Municipal de Lisboa, apontando esperar que "seja um grande dia".

Falando na reunião descentralizada do executivo, destinada à audição dos munícipes de Alvalade e Areeiro, José Sá Fernandes afirmou que a obra na zona sul do Campo Grande "acabará e será inaugurada no dia 25 de abril deste ano".

"Quando eu cheguei à câmara [o jardim] era uma miséria, estou muito contente" com a conclusão dos trabalhos, salientou o autarca, arrancando risos ao presidente da Câmara Municipal, Fernando Medina, que classificou a inauguração no dia em que se comemora a liberdade como "um fator de grande alegria".

Em resposta a uma munícipe, Sá Fernandes referiu que o atraso na obra, "que devia ter acabado a 12 de janeiro, segundo o que foi aprovado em câmara", se deveu à "inauguração da piscina" municipal aí localizada, que foi concessionada pelo município ao grupo espanhol Ingesport (proprietário dos ginásios GoFit).

"Tivemos de compatibilizar o projeto da piscina com o do Campo Grande" (freguesia de Alvalade), explicou, adiantando que isso provocou "um atraso e aumento do custo" da intervenção, sem precisar porém de quanto.

"Abrimos a piscina, está a funcionar, as pessoas estão muito contentes, e agora espero que quando abrirmos no dia 25 de abril, seja um grande dia porque temos o Campo Grande todo completo", advogou o vereador.

A requalificação da zona sul do Jardim do Campo Grande foi anunciada no final de 2016, e deveria inclui a plantação de 100 árvores e a criação de novos caminhos.

Na altura, a estimativa da autarquia era concretizar estas medidas até outubro de 2017.

Em declarações à agência Lusa na altura, o vereador José Sá Fernandes explicou que a empreitada visava "pôr os caminhos todos impecáveis, arranjar a rede de rega e de drenagem, limpar e restaurar o lago e plantar mais árvores", num investimento de 1,2 milhões de euros.

Incluída estava também a substituição de 18 árvores em risco de queda.

Numa informação publicada na sua página na internet, a Câmara de Lisboa explicava que o projeto para a zona sul do Campo Grande, que incide sobre uma área com 61.714 metros quadrados, assenta no "redesenho do jardim, com a simplificação e sistematização da estrutura construída e da estrutura vegetal".

Acresce uma aposta na circulação pedonal e na utilização da zona interior do jardim, onde será reforçada a iluminação natural e serão ampliadas as zonas verdes, havendo também uma "melhoria no isolamento sonoro e visual".

O projeto previa ainda a instalação de um "sistema de iluminação noturno, para reforço da segurança e utilização do espaço", bem como novo mobiliário urbano (bancos e papeleiras).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.