Instituto do Sangue apela a novas dádivas

As reservas de sangue sofreram grande quebra em janeiro. Instituto Português do Sangue e da Transplantação faz um apelo a novos pessoas possam doar sangue.

Janeiro sofreu uma quebra de 13% de dadores em relação ao mesmo período do ano passado. No total foram menos 1598 unidades de sangue recolhida. Fevereiro costuma ser um dos mês mais complicados por causa da gripe.

A quebra levou o Instituto Português do Sangue e da Transplantação a fazer um apelo para repor os níveis, sobretudo do sangue tipo O que tem as reservas mais em baixo para evitar que se chegue a uma situação limite.

"As reservas de sangue, principalmente do grupo zero negativo e zero

positivo mas também de A negativo, estão neste momento em níveis que

consideramos que devem dar origem a um pedido à população de dadores e também a novos dadores para que façam as suas dádivas de sangue nos próximos dias e nos locais onde o IPST está a colher", refere um comunicado.

"Há sempre risco de operações que não são urgentes e que estão programadas possam ser adiadas. É isso que queremos evitar, fazendo um apelo aos dadores que estão inativos - aqueles que não fazem dádiva há muito tempo - e para que venham novos dadores", disse ao DN Hélder Trindade, presidente do instituto.

Em todo o País se registou uma quebra de dadores. Mas foi na região centro que foi mais acentuada. O Instituto está a negociar novas campanhas para conquistar novos dadores. Além da gripe, também a emigração e as condições sociais mais difíceis podem explicar o decréscimo de dadores.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O populismo identitário

O tema da coincidência entre Nação-Estado foi intencionalmente considerado um princípio da organização mundial quando o presidente Wilson conseguiu a sua inclusão no estatuto da Sociedade das Nações (SdN), no fim da guerra de 1914-1918, organismo em que depois os EUA decidiram não entrar. Acontece que nação é um termo que, exprimindo de regra, em primeiro lugar, uma definição cultural (costumes, tradições, valores), tem vocação para possuir um território e uma soberania, mas o princípio da SdN não impediu a existência, hoje extinta, da unidade checoslovaca, nem que, atualmente, o Brexit advirta que um eventual problema futuro para o Reino Unido está no facto de não ser um Estado-Nação, e identidades políticas, provavelmente duas ou mais nações, suas componentes, são europeístas.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.