Instituições temem mais pessoas nas ruas por despejo

As instituições de solidariedade têm conseguido controlar o número de sem-abrigo, mas temem que as ações de despejo e a sobrelotação das casas empurrem muitas pessoas para a rua, faltando capacidade para as acolher.

Nesse sentido, consideram urgente uma maior coordenação da Estratégia Nacional para a Integração de Pessoas Sem-Abrigo, lançada em março de 2009 com o objetivo de criar condições para que ninguém tenha de permanecer na rua por falta de alternativas.

A diretora da Ação Social da Assistência Médica Internacional disse à Lusa que a estratégia tem permitido controlar a população sem-abrigo.

Contudo, disse Ana Martins, "temos medo que, com os desalojamentos que estão a surgir e o excesso de sobrelotação das casas, a situação descarrile".

"Há milhares de pessoas que estão a viver num limbo, com rendas em atraso às câmaras e à banca, que ainda não foram despejadas. A partir do momento em que as autarquias tomem a decisão de as despejar será o caos social", salientou.

Segundo Ana Martins, uma grande percentagem destes inquilinos iria ficar na rua porque "as instituições não têm capacidade de resposta para a quantidade de pessoas que estão nesta situação".

Esta posição foi sustentada por Isabel Monteiro, da Cáritas de Setúbal, afirmando que "a situação tem vindo a agravar-se e não há respostas para os problemas".

"Estamos numa situação aflitiva e é preciso olhar para esta realidade da precariedade da habitação e do desemprego", disse Isabel Monteiro.

Esta situação é "um cocktail molotov, porque as pessoas ficam sem emprego, sem casa, começam a andar na rua e as instituições não têm resposta", frisou.

As responsáveis criticam a falta de gestão e coordenação da estratégia para os sem-abrigo a nível nacional e o "silêncio" do Governo sobre esta matéria.

"Nós continuamos a trabalhar em Setúbal sem apoios nenhuns, sem uma orientação central", disse Isabel Monteiro, considerando que a estratégia "é algo que politicamente não está a merecer o interesse necessário".

Isabel Monteiro defendeu que a Segurança Social, as organizações e as redes sociais deviam coordenar-se: "Muito mais importante do que andar a lançar projetos, que depois não há dinheiro para os realizar, é coordenar estas ações no terreno".

Sublinhou ainda que esta situação está a provocar um "desgaste muito grande" dos técnicos e "a provocar o desalento nas pessoas que se veem sem nada".

"Estamos numa situação em que já começamos a sentir que, em determinadas situações, e daqui a um tempo, a única coisa que podemos dar é ouvir a pessoa, acolhê-la, dar-lhe uma sopa, um banho quente e um cobertor para dormir na rua", lamentou.

Ana Morais acrescentou que as instituições estão no terreno a trabalhar a estratégia, mas lamentou "a omissão e o silêncio do Governo em relação aos objetivos e à estratégia".

Já a diretora da Ação Social da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, Rita Valadas, lembrou que a estratégia envolve todo o país, mas a questão dos sem-abrigo " é essencialmente um problema da cidade de Lisboa" que tem vindo a ser trabalhado no âmbito da rede social.

Em Lisboa constituiu-se uma plataforma para a pessoa sem-abrigo.

"O que se procura, além da identificação do problema, que as instituições que trabalham no terreno conhecem muito bem, é que as respostas sejam adequadas às verdadeiras necessidades que vamos sentindo e nas mudanças que este fenómeno vai tendo na cidade", acrescentou.

No Porto, a estratégia tem estado a funcionar e "a resposta tem sido eficaz", com a retirada de 1.300 pessoas das ruas, segundo o presidente da Rede Europeia Anti-Pobreza, padre Jardim Moreira.

A Lusa contactou o Instituto de Segurança Social para fazer um balanço dos quatro anos da estratégia nacional mas não obteve resposta em tempo útil.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".