Inquérito ao desastre do C-130 no Montijo ainda decorre

O acidente causou a morte a três militares da Força Aérea, em julho passado

O inquérito ao desastre com um avião de carga C-130, em julho, no Montijo, que causou a morte de três militares da Força Aérea, ainda não está concluído, revelou o ministro da Defesa.

José Alberto Azeredo Lopes disse, na quarta-feira à agência Lusa em Londres, ter pedido recentemente informações sobre o assunto, aguardando a conclusão do inquérito e a divulgação das suas conclusões.

"Suponho que a finalização não esteja para longe, mas ainda não está concluído", afirmou, justificando a demora com a complexidade do acidente.

O avião Hércules C-130 encontrava-se numa missão de treino na base aérea n.º6, no Montijo. Segundo a Força Aérea, que dirige o inquérito às causas, o aparelho "imobilizou-se fora da pista" e incendiou-se de imediato durante a corrida de descolagem e a tripulação não chegou a reportar qualquer emergência.

Na sequência do acidente, morreram o tenente-coronel Fernando Castro, o capitão André Saramago e o sargento Amândio Novais.

O Ministro da Defesa Nacional português chegou na quarta-feira à capital britânica para participar na reunião Ministerial de Defesa dedicada às operações de manutenção de paz das Nações Unidas, onde estarão representados mais de 70 países e organizações internacionais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.