Infraestruturas de Portugal garante que rede ferroviária é segura

Um relatório, hoje divulgado, concluiu que mais de metade das vias férreas tem um desempenho medíocre ou mau

A Infraestruturas de Portugal (IP) garante que a rede ferroviária nacional é segura, com desempenho "globalmente positivo", apesar de um relatório ter concluído que mais de metade das vias férreas tem um desempenho medíocre ou mau.

Segundo o relatório do estado da infraestrutura de maio de 2017 e que diz respeito a 2016, divulgado hoje pelo jornal Público, quase 60% das vias férreas portugueses têm um índice de desempenho medíocre ou mau.

Em pior estado, segundo o jornal, estão os troços Ovar-Gaia (Linha do Norte), Tua-Pocinho (32 quilómetros na Linha do Douro) e a via estreita de Espinho a Oliveira de Azeméis e de Aveiro a Sernada do Vouga (68 quilómetros).

"Para incrementar o nível da infraestrutura ferroviária, a IP está a desenvolver o maior programa de investimentos das últimas décadas na modernização da rede ferroviária nacional", termina a empresa

Numa nota enviada às redações, a IP garante que "a rede ferroviária nacional é segura sendo o seu desempenho globalmente positivo".

Segundo a empresa, em 2016 a rede ferroviária nacional encontrava-se, "em termos médios, num estado de condição razoável, (avaliado em 5,3 numa escala entre 0 e 8) significando que em geral está adequada aos requisitos de exploração".

De acordo com a IP, o estado das vias "constitui somente um dos 9 (nove) parâmetros avaliados neste relatório, sendo que todos os restantes indicadores de desempenho são francamente mais positivos".

"Para incrementar o nível da infraestrutura ferroviária, a IP está a desenvolver o maior programa de investimentos das últimas décadas na modernização da rede ferroviária nacional", termina a empresa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.