Infraestruturas de Portugal garante que rede ferroviária é segura

Um relatório, hoje divulgado, concluiu que mais de metade das vias férreas tem um desempenho medíocre ou mau

A Infraestruturas de Portugal (IP) garante que a rede ferroviária nacional é segura, com desempenho "globalmente positivo", apesar de um relatório ter concluído que mais de metade das vias férreas tem um desempenho medíocre ou mau.

Segundo o relatório do estado da infraestrutura de maio de 2017 e que diz respeito a 2016, divulgado hoje pelo jornal Público, quase 60% das vias férreas portugueses têm um índice de desempenho medíocre ou mau.

Em pior estado, segundo o jornal, estão os troços Ovar-Gaia (Linha do Norte), Tua-Pocinho (32 quilómetros na Linha do Douro) e a via estreita de Espinho a Oliveira de Azeméis e de Aveiro a Sernada do Vouga (68 quilómetros).

"Para incrementar o nível da infraestrutura ferroviária, a IP está a desenvolver o maior programa de investimentos das últimas décadas na modernização da rede ferroviária nacional", termina a empresa

Numa nota enviada às redações, a IP garante que "a rede ferroviária nacional é segura sendo o seu desempenho globalmente positivo".

Segundo a empresa, em 2016 a rede ferroviária nacional encontrava-se, "em termos médios, num estado de condição razoável, (avaliado em 5,3 numa escala entre 0 e 8) significando que em geral está adequada aos requisitos de exploração".

De acordo com a IP, o estado das vias "constitui somente um dos 9 (nove) parâmetros avaliados neste relatório, sendo que todos os restantes indicadores de desempenho são francamente mais positivos".

"Para incrementar o nível da infraestrutura ferroviária, a IP está a desenvolver o maior programa de investimentos das últimas décadas na modernização da rede ferroviária nacional", termina a empresa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.

Premium

Opinião

Angola, o renascimento de uma nação

A guerra do Kosovo foi das raras seguras para os jornalistas. Os do poder, os kosovares sérvios, não queriam acirrar ainda mais a má vontade insana que a outra Europa e a América tinham contra eles, e os rebeldes, os kosovares muçulmanos, viam nas notícias internacionais o seu abono de família. Um dia, 1998, 1999, não sei ao certo, eu e o fotógrafo Luís Vasconcelos íamos de carro por um vale ladeado, à direita, por colinas - de Mitrovica para Pec, perto da fronteira com o Montenegro. E foi então que vi a esteira de sucessivos fumos, adiantados a nós, numa estrada paralela que parecia haver nas colinas.