Infraestruturas 2030. Governo quer OK de dois terços do Parlamento

Governo quer garantia do parlamento, revelou o ministro das Infraestruturas na conferência que assinala o 153.ª aniversário do DN

Pedro Marques espera que os investimentos para o Portugal 2030 e para o Programa Nacional de Investimentos tenham a aprovação de dois terços do Parlamento. Só assim, adiantou esta segunda-feira o ministro, será possível garantir o seu prolongamento através de legislaturas e partidarismos.

"Queremos que este plano reúna o consenso de, pelo menos, dois terços dos deputados à Assembleia da República, assegurando assim a estabilidade na sua concretização, que não ficará desse modo sujeita à volatilidade dos ciclos políticos", referiu o ministro do Planeamento e das Infraestruturas no encerramento da primeira Conferência do Ciclo de Conferências que comemoram o 153º aniversário do Diário de Notícias.

No fecho de uma manhã dedicada às Infraestruturas, Pedro Marques lembrou que o programa para a próxima década exige "receber os contributos mais variados, para construir o mais alargado consenso técnico, social e político". E que, por isso, "ao longo do primeiro semestre do próximo ano daremos os passos para a concretização destes consensos, estando confiante que, em matéria de tanta importância, ninguém faltará à chamada".

Pedro Marques admite que há um "objetivo nuclear claro" na discussão que agora se inicia, que as infraestruturas a levantar nos próximos anos "reforcem a coesão territorial, alavanquem a competitividade da nossa economia, estimulem o emprego e promovam a sustentabilidade ambiental".

Isto tudo num contexto em que, adianta o governante, existem vários desafios a ultrapassar, como a coesão territorial, sustentabilidade demográfica, alterações climáticas e a urgência da descarbonização.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.