Influência cultural da mensagem da Cova da Iria evocada na peregrinação de sábado e domigo

A evocação da influência cultural da mensagem de Fátima no mundo vai marcar a peregrinação de 12 e 13 de maio à Cova da Iria, presidida pelo cardeal Gianfranco Ravasi, responsável do Conselho Pontifício para a Cultura.

Segundo informação do Santuário de Fátima, o bispo de Leiria-Fátima, António Marto, pretendeu com o convite ao cardeal conferir relevância "à dimensão cultural do anúncio, da expressão da fé e da espiritualidade cristã que Fátima representa".

Segundo António Marto, "a mensagem de Fátima foi dirigida a uma época marcada por uma cultura ateia e hostil à fé cristã, tendo aberto uma brecha nessa cultura, e hoje continua a influenciá-la na vivência, no pensamento e na convivência entre os povos".

Para o prelado, "a peregrinação pretende despertar a atenção para a fé cristã enquanto geradora de cultura".

Citado pela sala de imprensa do Santuário de Fátima, o cardeal Gianfranco Ravasi explicou que deseja "apelar para a descoberta da riqueza da diversidade e da pluralidade das culturas que um lugar como Fátima acolhe e potencia".

Por outro lado, durante as cerimónias da peregrinação, o presidente do Conselho Pontifício para a Cultura quer "valorizar o santuário como lugar de escuta da palavra de Deus" e fazer uma chamada de atenção para a recuperação do extraordinário", enaltecendo "a experiência de momentos de diversidade da rotina quotidiana".

O início da peregrinação internacional de 12 e 13 de maio está agendado para as 18:30 de sábado, na Capelinha das Aparições. Do programa de sábado destaca-se ainda a recitação do terço e a procissão das velas, seguindo-se a eucaristia, às 22:30.

Antes, às 16:00, vai ter lugar uma conferência de imprensa com Gianfranco Ravasi, António Marto e o reitor do Santuário, Carlos Cabecinhas.

Segundo o Santuário de Fátima, para as cerimónias do fim de semana estão já inscritos 90 grupos de peregrinos organizados de 22 países.

A estes vão juntar-se os 35 mil peregrinos que o assistente nacional do Movimento Mensagem de Fátima calcula que estejam a dirigir-se a pé para o Santuário.

Hoje, em conferência de imprensa, o comandante territorial da GNR de Santarém, coronel Corte Real, disse que o meio milhar de militares - mais do dobro dos efetivos mobilizados em 2011 - estão preparados para um cenário de 300 mil pessoas a participarem nas celebrações.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.

Premium

Opinião

Investimento estrangeiro também é dívida

Em Abril de 2015, por ocasião do 10.º aniversário da Fundação EDP, o então primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmava que Portugal "precisa de investimento externo como de pão para a boca". Não foi a primeira nem a última vez que a frase seria usada, mas naquele contexto tinha uma função evidente: justificar as privatizações realizadas nos anos precedentes, que se traduziram na perda de controlo nacional sobre grandes empresas de sectores estratégicos. A EDP é o caso mais óbvio, mas não é o único. A pergunta que ainda hoje devemos fazer é: o que ganha o país com isso?