Cancro aumenta em Portugal, mas mortalidade está "estacionária"

Em 2017, foram registados cerca de 50 mil casos novos de cancro no país, disse o oncologista Miguel Barbosa

A incidência de cancro em Portugal tem aumentado "três a quatro por cento ao ano" e, em 2017, foram registados cerca de "50 mil novos casos", mas a mortalidade está "relativamente estacionária", segundo o oncologista Miguel Barbosa.

"Em 2017, tivemos praticamente 50 mil novos casos de cancro no país. A incidência da doença tem vindo a aumentar três a quatro por cento ao ano", mas a mortalidade "tem estado relativamente estacionária ou com um aumento muito ligeiro", assinalou esta quarta-feira o diretor do serviço de Oncologia do Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro.

O médico, que faz parte da organização dos Encontros da Primavera em Oncologia, que vão decorrer em Évora, entre quinta-feira e sábado, disse à agência Lusa que estes números mostram que, apesar de existirem "cada vez mais novos casos de cancro", os serviços estão "a tratar cada vez melhor" os doentes.

"Felizmente, é por tratarmos bem os doentes que estes se vão acumulando", mas o que acontece também é que "os serviços clínicos por esse país fora estão no limite", disse.

Em 2030, Portugal pode chegar aos "60 mil novos casos de cancro, com a mesma mortalidade"

"Praticamente todos os serviços de oncologia ou que tratam o doente oncológico" registam "um aumento do número de doentes, porque recebem cada vez mais casos novos e conservam cada vez mais os doentes que têm", graças ao "sucesso nos tratamentos", assinalou.

Perante esta realidade e considerando que, para 2030, se estima que Portugal possa chegar aos "60 mil novos casos de cancro, com a mesma mortalidade", Miguel Barbosa defendeu que é preciso "acautelar que os serviços clínicos estejam capazes de responder a esta necessidade".

"Os diagnósticos de cancro irão aumentar", devido ao envelhecimento populacional, pelo que "as necessidades assistenciais", ao nível "de profissionais, mas também de condições dos serviços, serão maiores", afirmou.

Claramente, precisamos de mais investimento, em termos de profissionais de Saúde dedicados a esta área, mas também em termos de espaços físicos para atendermos os doentes com toda a consideração que merecem

Mas, realçou o oncologista, Portugal tem tido um investimento "muito limitado" na Saúde, devido "às condições financeiras" dos últimos anos, e é necessário um aumento.

"Não tem sido o suficiente. Claramente, precisamos de mais investimento, em termos de profissionais de Saúde dedicados a esta área, mas também em termos de espaços físicos para atendermos os doentes com toda a consideração que merecem", reclamou.

A atualidade do cancro em Portugal e os últimos avanços no diagnóstico e tratamento da doença vão ser discutidos em Évora, numa unidade hoteleira da cidade, nos Encontros da Primavera, que são o maior evento nacional na área da oncologia.

Médicos, farmacêuticos, enfermeiros, nutricionistas e outros profissionais de Saúde da área oncológica participam na iniciativa, subordinada ao tema "Da Evidência à Clínica".

Atualmente, explicou Miguel Barbosa, os médicos estão "rodeados por sistemas de informação" que visam "facilitar a circulação de informação clínica dos doentes para ajudar num melhor tratamento, mas que também contribuem para o afastamento do profissional de Saúde em relação ao doente".

"Por vezes, passamos tanto ou mais tempo a olhar para o computador do que, propriamente, a atender às necessidades específicas daquele doente", alertou o membro da comissão organizadora.

A necessidade de as associações de doentes "serem fortes" e terem uma "voz ativa" no tratamento das pessoas com doença oncológica, para garantir um melhor tratamento e a defesa de terapêuticas inovadoras que "podem fazer a diferença", vai ser outro dos temas em debate, indicou Miguel Barbosa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.