UGT vai comemorar 1.º de Maio de 2018 em Figueiró dos Vinhos

UGT vai fazer reuniões descentralizadas nas zonas afetadas pelos incêndios

A UGT vai comemorar, em 2018, o 1.º de Maio em Figueiró dos Vinhos, Leiria, zona afetada pelo grande incêndio de 17 de junho, e realizar reuniões descentralizadas do secretariado nacional nos concelhos atingidos pelos fogos.

"Vamos trazer o 1.º de Maio para Figueiró dos Vinhos", disse hoje à agência Lusa o secretário-geral da UGT, Carlos Silva, que é também presidente da Assembleia Municipal deste concelho do distrito de Leiria que foi fortemente afetado pelo incêndio que deflagrou em Pedrógão Grande, em junho.

Carlos Silva falava no final de mais uma reunião do secretariado nacional na zona do incêndio, desta feita na Casa Municipal da Cultura de Pedrógão Grande.

De acordo com o líder da UGT, em fevereiro o secretariado nacional vai reunir em Oliveira do Hospital e em março vai organizar uma conferência, em conjunto com a Confederação Nacional das Cooperativas Agrícolas (Confagri), em Castanheira de Pera.

Até junho, haverá ainda reuniões em Tondela e em Mação, outros concelhos da região Centro afetados pelos incêndios.

"Depois do verão, iremos ainda ao distrito de Castelo Branco, no Fundão, e também ao distrito da Guarda, em Seia", referiu.

A descentralização, explicou, "vai ocorrer, sobretudo, nas zonas afetadas dos incêndios de junho e de outubro".

Para Carlos Silva, esta decisão deve-se também a uma necessidade de a própria sociedade civil dar atenção ao interior e contribuir para a economia da região.

"É preciso trazer jovens, mantê-los cá e trazer empresas", defendeu, recordando que, em sede de Concertação Social, a UGT tem defendido "um abaixamento do IRC de forma muito assertiva para valores que permitam que as empresas olhem para isso como um benefício e venham para cá".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.