Rio considera que "ninguém está tranquilo" com o que foi feito pelo Governo

"O Governo, como um todo, não tem tido a capacidade que se impunha para que possamos encarar o verão com outra tranquilidade. Neste momento, ninguém está tranquilo com aquilo que pode acontecer", afirmou

O presidente do PSD considerou hoje que "ninguém está tranquilo" com o que foi feito pelo Governo para preparar a época de incêndios, compreendendo a importância atribuída pelo Presidente da República ao que se vai passar neste verão.

"O Governo, como um todo, não tem tido a capacidade que se impunha para que possamos encarar o verão com outra tranquilidade. Neste momento, ninguém está tranquilo com aquilo que pode acontecer", afirmou Rui Rio, questionado pelos jornalistas no final de uma audiência com a UGT, em Lisboa.

Sobre as declarações de Marcelo Rebelo de Sousa -- que, em entrevista à Renascença e Público, admitiu que não se recandidataria se tudo voltasse a correr mal neste campo -, Rio disse compreender a importância atribuída pelo chefe de Estado à matéria dos incêndios, que fizeram mais de cem mortos no ano passado em Portugal.

"Se ele se pode considerar um pouquinho responsável ao ponto de pôr em causa a sua vontade de reeleição, naturalmente que aqueles que têm obrigação executiva de pôr as coisas a andar terão mais responsabilidades", defendeu.

Rio classificou como "trapalhadas" as sucessivas notícias que dão conta da falta de equipamento, de meios aéreos ou a recente nova troca do comandante operacional da Proteção Civil.

"Eu estou à espera duma primeira notícia positiva, que nos dê esperança de ter um período mais tranquilo. Até podemos ter, desejo bem que sim, mas vai derivar muito da sorte, do clima e menos do planeamento deste Governo", criticou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.