Rio considera que "ninguém está tranquilo" com o que foi feito pelo Governo

"O Governo, como um todo, não tem tido a capacidade que se impunha para que possamos encarar o verão com outra tranquilidade. Neste momento, ninguém está tranquilo com aquilo que pode acontecer", afirmou

O presidente do PSD considerou hoje que "ninguém está tranquilo" com o que foi feito pelo Governo para preparar a época de incêndios, compreendendo a importância atribuída pelo Presidente da República ao que se vai passar neste verão.

"O Governo, como um todo, não tem tido a capacidade que se impunha para que possamos encarar o verão com outra tranquilidade. Neste momento, ninguém está tranquilo com aquilo que pode acontecer", afirmou Rui Rio, questionado pelos jornalistas no final de uma audiência com a UGT, em Lisboa.

Sobre as declarações de Marcelo Rebelo de Sousa -- que, em entrevista à Renascença e Público, admitiu que não se recandidataria se tudo voltasse a correr mal neste campo -, Rio disse compreender a importância atribuída pelo chefe de Estado à matéria dos incêndios, que fizeram mais de cem mortos no ano passado em Portugal.

"Se ele se pode considerar um pouquinho responsável ao ponto de pôr em causa a sua vontade de reeleição, naturalmente que aqueles que têm obrigação executiva de pôr as coisas a andar terão mais responsabilidades", defendeu.

Rio classificou como "trapalhadas" as sucessivas notícias que dão conta da falta de equipamento, de meios aéreos ou a recente nova troca do comandante operacional da Proteção Civil.

"Eu estou à espera duma primeira notícia positiva, que nos dê esperança de ter um período mais tranquilo. Até podemos ter, desejo bem que sim, mas vai derivar muito da sorte, do clima e menos do planeamento deste Governo", criticou.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.