Relatório da comissão técnica entregue na próxima semana no parlamento

Comissão técnica apurou os factos relativos ao incêndio que deflagrou em 17 de junho, em Pedrógão Grande, e fez 64 mortos

O relatório da Comissão Técnica Independente de análise aos incêndios na região Centro, em junho, deverá ser entregue na próxima semana ao parlamento, a 12 de outubro.

A data foi comunicada pelo presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, à conferência de lideres parlamentares, que agendou um debate sobre o tema para dia 27 de outubro.

Segundo o deputado Duarte Pacheco, porta-voz da conferência de líderes, a informação de Ferro Rodrigues é que, "em princípio", o relatório será entregue a 12 de outubro.

A 14 de agosto, o prazo de entrega do relatório da Comissão Técnica Independente de análise aos incêndios na região Centro, previsto para 11 de setembro, foi prorrogado por mais 30 dias, ou seja, para outubro.

O presidente da comissão, João Guerreiro, justificou o adiamento do prazo da entrega do documento por se tratar de "uma missão complexa e que tem muito detalhe".

"A própria Assembleia da República admitiu que em 60 dias não se pudesse fazer [a análise aos incêndios na região Centro] e é verdade", declarou o presidente da Comissão Técnica Independente.

A criação de uma comissão técnica para apurar os factos relativos ao incêndio que deflagrou em 17 de junho, em Pedrógão Grande, no distrito de Leiria, do qual resultaram 64 mortos, foi proposta pelo PSD e aprovada pelo parlamento no dia 30 de junho. A comissão funcionará por um período máximo de três meses.

Na conferência de líderes foi feito o agendamento das reuniões até finais de outubro, antes de o parlamento se dedicar em exclusivo à discussão do Orçamento do Estado de 2018.

Assim, a 18 de outubro realiza-se um debate quinzenal com o primeiro-ministro, seguido do debate europeu de preparação da reunião do Conselho Europeu de 19 de outubro, e em que também se discutirá as propostas do presidente da comissão sobre o futuro da União.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.