PSD chocado com chumbo da esquerda a isenção de IMI para imóveis ardidos

"O Estado falhou, mas ainda quer que os contribuintes paguem impostos por património que já não existe ou que já não tem o mesmo valor", defende Leitão Amaro

O PSD manifestou-se hoje "chocado" com o chumbo dos partidos da esquerda à sua proposta de isentar de IMI os imóveis ardidos nos incêndios deste ano e defendeu que a rejeição revelou, mais uma vez, a "insensibilidade" do primeiro-ministro.

"É chocante a decisão das esquerdas de terem chumbado a isenção de IMI para quem perdeu a casa ou a empresa", comentou à Lusa o deputado social-democrata Leitão Amaro, lembrando tratar-se de uma proposta do PSD de alteração do Orçamento do Estado para o próximo ano.

Na sexta-feira, PS, BE e PCP chumbaram a isenção do IMI para 2017 e 2018 para os imóveis que arderam nos incêndios, um chumbo que o deputado justifica com o facto de ser uma proposta do PSD e que, na sua opinião, mostra que o interesse partidário foi colocado acima do interesse das pessoas.

"O Estado falhou, mas ainda quer que os contribuintes paguem impostos por património que já não existe ou que já não tem o mesmo valor. isto é inaceitável! ", afirmou o deputado, defendendo ser de "elementar justiça" que esses contribuintes lesados pelos incêndios tenham isenção do IMI.

Segundo o deputado, o PSD vai voltar a propor aos deputados a discussão desta proposta de isenção do IMI na segunda-feira, requerendo a avocação desta proposta e sujeitando-a novamente a votação.

O chumbo do diploma do PSD mostra ainda, segundo Leitão Amaro, a falta de sensibilidade do primeiro-ministro António Costa: "Perante esta decisão chocante e absolutamente injusta, eu acho que o país percebe, novamente, a insensibilidade e ausência do primeiro-ministro", concluiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.