Programa "Aldeia Segura" já está a ser implementado em 700 localidades

No âmbito deste programa estão " a ser sinalizados os caminhos de evacuação nos aglomerados populacionais", tendo já sido elaborados 260 planos de evacuação

O programa "Aldeias Seguras" e "Pessoas Seguras" já está a ser implementado em 700 localidades dos 189 municípios do país que têm freguesias de risco, disse hoje o Ministério da Administração Interna.

No âmbito deste programa que procura garantir uma maior proteção das aldeias em caso de incêndio, já foram designados 700 oficiais de segurança, figura que tem como missão "transmitir avisos à população, organizar a evacuação do aglomerado, em caso de necessidade, e fazer ações de sensibilização junto da população", referiu o Ministério da Administração Interna (MAI), em nota de imprensa enviada à agência Lusa.

De acordo com o Governo, estão também já identificados 350 locais de refúgio e estão "também a ser sinalizados os caminhos de evacuação nos aglomerados populacionais", tendo já sido elaborados, no âmbito desta iniciativa, 260 planos de evacuação.

"A partir de hoje, vai ser intensificada a distribuição de 'kits' de autoproteção pelas aldeias, bem como da sinalética para indicação dos caminhos de evacuação", sublinha a nota de imprensa.

Os objetivos deste programa passam pelo apoio ao poder local na promoção da segurança, a implementação das estratégias de proteção das localidades face a incêndios rurais e a sensibilização das populações para a adoção de práticas que minimizem o risco de incêndio

Em ações de sensibilização realizadas no terreno, estiveram já envolvidas mais de 10 mil pessoas, tendo também sido distribuídos por diversas entidades públicas cerca de um milhão de folhetos com medidas de autoproteção.

"O folheto está igualmente a ser entregue nos 640 mil domicílios das freguesias prioritárias", acrescentou o ministério.

O programa tem como objetivos, entre outros, incentivar a consciência coletiva de que a proteção é uma responsabilidade de todos, apoiar o poder local na promoção da segurança, implementar estratégias de proteção das localidades face a incêndios rurais e sensibilizar as populações para a adoção de práticas que minimizem o risco de incêndio.

A 5 de junho, quando havia 602 aldeias abrangidas pelo programa, eram os distritos da Guarda (197) e Bragança (177) que contavam com mais localidades que tinham aderido à iniciativa, de acordo com informação prestada na altura pelo MAI à agência Lusa.

Guarda e Bragança são também dos distritos com maior número de freguesias prioritárias, no âmbito da Defesa da Floresta Contra Incêndios para 2018.

Castelo Branco apresentava 66 aldeias seguras, seguindo-se Santarém (39), Vila Real (32) e Leiria (22).

De acordo com a informação prestada a 5 de junho, apenas o distrito de Beja não contava com qualquer aldeia prioritária.

A execução do programa "Aldeia Segura" e "Pessoas Seguras" resulta de um protocolo assinado entre a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), a Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) e a Associação Nacional de Freguesias (ANAFRE).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.