Nove fogos rurais em curso às 13:45 no norte e centro do país

Proteção Civil diz que "muitos devem ter origem em queimadas" e atividades de "qualificação de pastos e também é possível que haja algum devido à limpeza das matas"

Nove incêndios rurais, três em povoamento florestal e os restantes em zona de mato e terrenos agrícolas, estavam em curso pelas 13:45 de hoje no norte e centro do território continental, segundo o 'site' da Proteção Civil.

O fogo que concentrava mais meios - 42 operacionais, apoiados por 12 viaturas - situava-se no concelho de Tomar (Santarém), na freguesia de Serra e Junceira, e eclodiu às 11:24 mas, de acordo com fonte do Comando Nacional de Operações de Socorro (CNOS) da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), "não tem pontos sensíveis que causem preocupação", estando a lavrar em zona de difíceis acessos aos bombeiros.

A página da ANPC na Internet indicava, à mesma hora, um total de 49 ocorrências ativas - nove em curso, quatro em resolução e 36 em conclusão -, envolvendo 403 bombeiros, 119 viaturas e um meio aéreo, um helicóptero baseado no distrito de Vila Real.

Questionada sobre a ocorrência de incêndios rurais em fevereiro, a fonte da ANPC argumentou que "muitos devem ter origem em queimadas" e atividades de "qualificação de pastos e também é possível que haja algum devido à limpeza das matas".

A mesma fonte indicou que, tanto hoje como na quinta e sexta-feira, as autoridades registaram vários incêndios de norte a sul do país "mas nada de especial", aludindo às condições climatéricas, com sol e ausência de chuva.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.