Nove fogos rurais em curso às 13:45 no norte e centro do país

Proteção Civil diz que "muitos devem ter origem em queimadas" e atividades de "qualificação de pastos e também é possível que haja algum devido à limpeza das matas"

Nove incêndios rurais, três em povoamento florestal e os restantes em zona de mato e terrenos agrícolas, estavam em curso pelas 13:45 de hoje no norte e centro do território continental, segundo o 'site' da Proteção Civil.

O fogo que concentrava mais meios - 42 operacionais, apoiados por 12 viaturas - situava-se no concelho de Tomar (Santarém), na freguesia de Serra e Junceira, e eclodiu às 11:24 mas, de acordo com fonte do Comando Nacional de Operações de Socorro (CNOS) da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), "não tem pontos sensíveis que causem preocupação", estando a lavrar em zona de difíceis acessos aos bombeiros.

A página da ANPC na Internet indicava, à mesma hora, um total de 49 ocorrências ativas - nove em curso, quatro em resolução e 36 em conclusão -, envolvendo 403 bombeiros, 119 viaturas e um meio aéreo, um helicóptero baseado no distrito de Vila Real.

Questionada sobre a ocorrência de incêndios rurais em fevereiro, a fonte da ANPC argumentou que "muitos devem ter origem em queimadas" e atividades de "qualificação de pastos e também é possível que haja algum devido à limpeza das matas".

A mesma fonte indicou que, tanto hoje como na quinta e sexta-feira, as autoridades registaram vários incêndios de norte a sul do país "mas nada de especial", aludindo às condições climatéricas, com sol e ausência de chuva.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.