Ministro-adjunto defende que ninguém ocultou o relatório sobre Pedrógão

Público noticiou que houve documentos apagados ou destruídos

O ministro-adjunto, Pedro Siza Viera, reiterou hoje que o relatório da auditoria interna da Proteção Civil sobre o fogo de Pedrógão Grande "não foi escondido".

"No dia 20 de novembro, o Ministério da Administração Interna (MAI) encaminhou o relatório ao Ministério Público", adiantou Pedro Siza Viera aos jornalistas, em Góis, distrito de Coimbra, a propósito do fogo florestal que eclodiu naquele município do distrito de Leiria, no dia 17 de junho de 2017.

O ministro frisou que "o relatório não foi escondido, foi encaminhado nos termos que deve ser encaminhado" e é isso, na sua opinião, "que nesta altura importa salientar".

A auditoria "foi determinada pelo Ministério da Administração Interna", tendo sido entregue ao MAI "em meados de novembro e, logo no dia 20 de novembro", o ministério "encaminhou o relatório ao Ministério Público (MP)", disse.

Em comunicado, o Governo afirmou hoje que o relatório da auditoria interna da Proteção Civil sobre o fogo de Pedrógão Grande foi enviado, em novembro, para o MP e que não escondeu o documento.

"É falsa a informação de que o Governo tenha 'escondido' o relatório desde novembro", refere o Governo na nota, indicando estar a esclarecer uma notícia do jornal Público com o título "Inspeção revela que houve provas do combate ao incêndio que foram apagadas ou destruídas".

Segundo o MAI, os documentos em causa "foram remetidos ao Ministério Público, junto da comarca de Leiria, no dia 20 de novembro, para efeitos de investigação, estando assim abrangidos pelo segredo de justiça".

O Público noticiou hoje que o relatório de uma auditoria interna da Autoridade Nacional de Proteção Civil aos trabalhos do combate ao fogo de Pedrógão Grande, em 2017, indica que houve documentos apagados ou destruídos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.