Mil casas destruídas estão já em reconstrução

Na região de Pedrógão Grande "97 ou 98% das casas estão ou em obra ou concluídas", disse esta quarta-feira o ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques

O ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, disse esta quarta-feira que cerca de mil casas destruídas pelos incêndios de junho e de outubro de 2017 estão em processo de reconstrução ou com obras já concluídas.

"A reconstrução de habitações tem um valor de quase 90 milhões de euros em todo o território. Neste momento, estão praticamente mil, das cerca de 1.400 casas de primeira habitação que foram afetadas o ano passado. Cerca de quase mil dessas casas estão já em processo de obra, em obra ou concluídas", disse o governante.

Pedro Marques falava aos jornalistas, em Seia, no distrito da Guarda, no final de uma visita às obras em curso em duas habitações afetadas pelos incêndios de outubro de 2017, na localidade de Travancinha.

Mil casas em reconstrução ao fim destes meses, eu diria que é um esforço muito grande

Segundo o ministro, para as pessoas afetadas cada dia que passa "é um dia a mais", mas, no caso dos incêndios de outubro, a reconstrução está a ser feita com dinheiro do Orçamento do Estado e, entre outros aspetos, foi preciso também verificar a titularidade das casas, o que está a atrasar o processo.

Pedro Marques disse que as entidades envolvidas, incluindo as autarquias e a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro, fizeram "um esforço muito grande" para que neste momento estejam "praticamente mil casas em reconstrução".

Referiu ainda que "não se reconstroem essas casas de um dia para o outro".

"Mil casas em reconstrução ao fim destes meses, eu diria que é um esforço muito grande", concluiu.

O ministro lembrou ainda que em relação aos incêndios da região de Pedrógão Grande "97 ou 98% das casas estão ou em obra ou concluídas".

A intervenção total que está prevista para os concelhos de Seia, Gouveia e Nelas é de cerca de 4,4 milhões de euros

No concelho de Seia "estão em causa 62 habitações, estando 17 na parte concursal, 11 em reavaliação, cinco terminadas e 29 na situação de trabalhos", segundo o presidente da autarquia, Carlos Filipe Camelo.

Durante a visita às duas habitações em reconstrução, foi referido que a intervenção total que está prevista para os concelhos de Seia, Gouveia e Nelas é de cerca de 4,4 milhões de euros.

Vera Figueiredo, uma mulher viúva de 71 anos que viu a sua habitação ser destruída pelas chamas, mostrou-se esta quarta-feira contente pelo início das obras, no valor de 116.441 euros.

"Que [a casa] fique como estava para acolher os meus filhos. Eu sempre gostei da harmonia e fui feliz com pouco", disse à comitiva que esta quarta-feira a visitou.

O ministro Pedro Marques disse-lhe que "daqui a dois ou três meses a casa está feitinha", e no forno que escapou ao incêndio e que também vai ser reconstruído "ainda há de fazer lá muito pão".

O seu filho, Sérgio Figueiredo, não escondeu a revolta pela situação vivida em outubro de 2017 e confidenciou que ainda hoje não consegue dormir.

"Não durmo, não consigo dormir. Tenho andado muito doente e muito triste. Ando nervoso e tenso", relatou.

A segunda casa que está em obras na freguesia de Travancinha fica numa quinta e pertence ao inglês Alan Smith, que vive sozinho.

A recuperação da habitação custa 40.442 euros e ficará pronta dentro de um mês e meio.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.