Marcelo visita Oliveira do Hospital e quer rapidez nos apoios

Importa que os apoios cheguem às empresas afetadas e que "seja rápido", defendeu o chefe de Estado

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, percorreu esta terça-feira as áreas ardidas do concelho de Oliveira do Hospital, tendo visitado empresas cujas instalações foram destruídas pelo fogo.

Antes de fazer uma comunicação ao país, a partir dos Paços do Concelho da cidade, na sequência dos incêndios dos últimos dias, o Presidente da República procurou inteirar-se da dimensão da tragédia, incluindo alguns dos principais danos na economia local.

Na zona industrial, Marcelo Rebelo de Sousa visitou uma unidade têxtil que empregava mais de 50 trabalhadores e que foi completamente destruída pelas chamas, no domingo.

"Que venha alguma coisa para Oliveira do Hospital", afirmou um responsável da firma J. Guerra, Cláudio Guerra, realçando a necessidade das ajudas públicas para que a laboração seja retomada.

Importa que os apoios cheguem às empresas afetadas e que "seja rápido", defendeu o chefe de Estado, que visitou depois o dono de uma empresa de revenda de frutas, na estrada da Beira (EM 17).

Rogério Brito disse ao Presidente da República que a unidade empregava 11 pessoas e foi também destruída pelo fogo, bem como oito viaturas.

"Tenho seguro do recheio, mas não tenho do edifício", admitiu.

O Presidente da República e o presidente da Câmara, José Carlos Alexandrino, tentaram confortar o empresário com o compromisso de que as ajudas não faltarão.

"Vamos ver", disse Rogério Brito, ao que Marcelo Rebelo de Sousa respondeu: "Vamos ver, não".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...