Marcelo confiante em "solução expedita" para familiares das vítimas

Presidente esteve esta sexta-feira no hospital de Viseu, de visita às vítimas dos fogos

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, mostrou-se hoje confiante de que, na reunião de Conselho de Ministros de sábado, seja encontrada "uma solução expedita que corresponda aos anseios" dos familiares das vítimas dos incêndios.

Em declarações aos jornalistas à saída de uma visita ao hospital de Viseu, Marcelo Rebelo de Sousa disse que terá havido um acordo "nas conversas havidas entre os familiares das vítimas de Pedrógão e o Governo".

"Penso que, portanto, estão criadas as condições para, na reunião de amanhã [sábado] do Conselho Ministro, como o primeiro-ministro tinha dito, se encontrar uma solução expedita que corresponda aos anseios, à vontade, dos familiares das vítimas", frisou.

Para o Presidente da República, isso terá "uma dupla vantagem: ser uma forma rápida" e também "participada pelos próprios diretamente envolvido nessa dor".

"Isso parece-me um facto a sublinhar com apreço. É bom haver essa rapidez na sequência das reuniões desta semana", salientou.

Questionado se considera estar a ser "o eucalipto do Governo", que "está a secar", Marcelo Rebelo de Sousa lembrou que agora já se encontra "reformado do comentário político" e que se dedica "a uma tarefa mais importante".

"O Presidente da República, com a legitimidade que é única do tipo de eleição, tem uma responsabilidade acrescida, porque é uma espécie de último fusível de segurança do sistema", respondeu aos jornalistas.

O facto do chefe de Estado ter "os poderes mais elevados, tirando os dos tribunais, no sistema político português", também o "responsabiliza muito" e, por isso, tem de estar "próximo do povo, das populações" e de instituições como o hospital que hoje visitou, justificou.

Marcelo Rebelo de Sousa lembrou ainda que membros do Governo já passaram pelo território afetado pelos últimos incêndios, como, por exemplo, o ministro das Infraestruturas, Pedro Marques, e que houve reuniões entre o primeiro-ministro e autarcas.

"Portanto, é evidente que há um contacto permanente que o Governo tem que ter para resolver problemas", sublinhou.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.