Jerónimo de Sousa diz que Governo subestimou os riscos dos incêndios

"O Governo não ficou bem na fotografia", disse o líder comunista em entrevista

O líder do PCP considera que o Governo subestimou os riscos de uma tragédia como a dos incêndios de domingo passado, mas não está disposto a abdicar da reposição de direitos e rendimentos em detrimento da reforma da floresta.

"O Governo não ficou bem na fotografia. Talvez tenha subestimado os riscos que continuavam a existir (...) em relação à possibilidade real de acontecer oura tragédia, como aconteceu no domingo passado", afirmou Jerónimo de Sousa, em entrevista à Antena 1.

Na entrevista, o líder comunista defende que o Estado tem, por isso, de assumir as suas responsabilidades, mas sublinha: "O problema é saber como vão ser encontradas medidas e soluções para evitar dramas desta dimensão, desta natureza".

Para financiar a reforma da floresta, Jerónimo de Sousa diz não estar disposto a abdicar de algumas conquistas para os trabalhadores, como a reposição de direitos e rendimentos, e defende que tal pode ser feito com um aumento de 0,2 pontos percentuais no défice.

"Tivemos um excedente de 5.000 milhões de euros que o Governo tem tentado atirar para o poço sem fundo do défice e da dívida", procurando uma "redução a mata cavalos" e indo "mais longe do que os critérios impostos pela União Europeia", considerou.

"Expliquem-me porque é que tem de ser 1% e não 1,2%, estamos a falar de 400 milhões de euros. (...) Se me explicarem qual é o crime, qual a inviabilidade e a reação de uma União Europeia que definiu os 3% e faz vista grossa em relação a outros países", ironizou o líder do PCP, para quem estes 0,2 dariam "uma resposta fundamental em termos de financiamento".

É preciso "um reforço de meios financeiros, humanos e logísticos, mas temos de encontrar uma solução, não é tirar o pão da boca a quem foi tão martirizado durante quatro anos, com o corte de direitos e rendimentos, e retirar-lhe outra vez em nome da defesa da floresta", afirmou.

Questionado sobre se estaria disposto a abdicar de um quarto do descongelamento das carreiras da função pública ou do alívio do IRS que o Orçamento para 2018 comporta, Jerónimo de Sousa respondeu: "Somos claramente contra esta dicotomia".

A entrevista será transmitida na integra no sábado, pelas 12:00.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.