Governo nega ter deixado de fora o PSD das reuniões com primeiro-ministro

Sociais-democratas afirmam que não foram convidados para reunião sobre o pacote de medidas para a floresta

O Governo convidou todos os partidos para as reuniões internas de trabalho com o primeiro-ministro, esta segunda-feira, em São Bento, e só o PSD não respondeu, disse à agência Lusa fonte do gabinete de António Costa.

Esta posição do executivo surgiu logo depois de o PSD de ter qualificado como "incompreensível" o facto de os sociais-democratas não terem sido convidados para a ronda de reuniões com o primeiro-ministro sobre o pacote de medidas para a floresta.

"Todos os partidos foram convidados da mesma forma para as reuniões internas de trabalho com o primeiro-ministro: Através de mensagens de telemóvel. Exceção feita ao PSD, todos os partidos responderam e estiveram presentes nas reuniões aqui em São Bento, que não constaram da agenda oficial do primeiro-ministro", contrapôs a mesma fonte do gabinete de António Costa.

Em declarações aos jornalistas, o deputado e antigo ministro social-democrata Fernando Negrão afirmou que "o PSD não recebeu qualquer convite" do primeiro-ministro.

"É incompreensível", disse Fernando Negrão, que o partido não tenha sido convidado, dado que o PSD "estaria disponível" para ir ao encontro.

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.