Marcelo vai receber a Medalha de Honra de Figueiró dos Vinhos

Para a autarquia de Figueiró dos Vinhos, esta é uma forma de "distinção e agradecimento" pelo "impacto" das ações do Presidente da República nos incêndios de 2017

O Município de Figueiró dos Vinhos vai atribuir a Medalha de Honra ao Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, como forma de "distinção e agradecimento" pela sua presença ativa nos incêndios de 2017.

Marcelo Rebelo de Sousa vai receber a Medalha de Honra do Município de Figueiró dos Vinhos, no distrito de Leiria, no dia 24 de junho, aquando das celebrações do Dia do Concelho e Festas de S. João, disse hoje a autarquia liderada por Jorge Abreu (PS) em comunicado enviado à agência Lusa.

Corporizou o espírito nacional de entreajuda e de reconstrução que muito têm contribuído para a recuperação das pessoas e comunidades atingidas por este drama

A atribuição desta medalha, que foi aprovada esta quarta-feira em reunião de Câmara, é uma forma "de distinção e agradecimento" ao Presidente da República "pela sua presença ativa desde os incêndios de 2017 e consequente importância e impacto das suas ações para com o concelho e Zona do Pinhal Interior", refere.

"O senhor Presidente da República, professor doutor Marcelo Rebelo de Sousa, corporizou o espírito nacional de entreajuda e de reconstrução que muito têm contribuído para a recuperação das pessoas e comunidades atingidas por este drama", refere a proposta.

Para a autarquia, a presença e a solidariedade evidenciadas na época por Marcelo Rebelo de Sousa prolongaram-se até aos dias de hoje, "demonstrando um sentido de unidade nacional para com os pequenos municípios do Interior muitas vezes esquecidos".

A atribuição desta medalha ao Presidente da República, "reconhecê-lo-á como Cidadão Honorário do Concelho de Figueiró dos Vinhos"

Segundo o Município, a Medalha de Honra do Concelho de Figueiró dos Vinhos é atribuída a cidadãos ou entidades cuja "grandeza dos seus empreendimentos tenham contribuído para o progresso, projeção e bom nome do Concelho bem como para o bem-estar das suas populações".

A atribuição desta medalha ao Presidente da República, "reconhecê-lo-á como Cidadão Honorário do Concelho de Figueiró dos Vinhos".

A par com a atribuição da Medalha de Honra, serão concedidas, igualmente, as Medalhas de Mérito e a de Bons Serviços do Concelho.

A primeira será atribuída a Serge Macudzinski, presidente do Município de Saint Maximin, com o qual Figueiró dos Vinhos está geminado desde 2008. Para a autarquia, a atribuição desta medalha é de "particular importância pela extraordinária competência e qualidades do autarca que em muito contribuiu e continua a contribuir para o acolhimento e integração dos inúmeros emigrantes portugueses, figueiroenses e não só, naquele município", assim como "pela solidariedade e apoio financeiro-social prestados durante os incêndios de 2017".

A Medalha de Bons Serviços do Concelho, por sua vez, será atribuída aos funcionários do Município Maria Isabel Mendes Simões, Maria Fátima Carvalho Simões e António Manuel da Silva Nunes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.