Incêndios dominados em Vila Real e Guimarães

No concelho de Ribeira de Pena, Vila Real, o fogo chegou a estar perto de casas. Em Guimarães, o incêndio teve duas frentes ativas

O fogo, que lavrava desde as 19:50 de quarta-feira na freguesia de Brito, em Guimarães, "foi dominado" pelas 01:00 de hoje, disse à Lusa fonte dos Bombeiros Voluntários de Guimarães.

De acordo com a mesma fonte, não há registo de vítimas ou danos materiais.

Pelas 00:00, o incêndio rural apresentava duas frentes ativas e estava a ser combatido por 33 bombeiros, apoiados por nove viaturas.

Já na freguesia de Cerva, concelho de Ribeira de Pena (Vila Real), fogo lavrava desde as 17:30 de quarta-feira e foi dominado pelas 04:30, disse à Lusa fonte dos Bombeiros Voluntários de Cerva.

"O fogo acabou agora", afirmou fonte dos Bombeiros Voluntários de Cerva, indicando não terem sido registados "quaisquer danos materiais".

De acordo com o comandante Jorge Campos, dos Bombeiros Voluntários de Cerva, pelas 23:30, o fogo, que lavrava nos lugares de Outeirinho e Seixinhos, estava a ser combatido por cerca de 70 homens, apoiados por 17 veículos.

O fogo "esteve perto de casas, mas conseguiu resolver-se a situação", disse, na altura.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.