Incêndios de Pedrógão fizeram 20 milhões de prejuízos na agricultura

Terá de "existir a capacidade financeira para lhes dar resposta", afirmou ministro Capoulas Santos

Os incêndios na zona de Pedrógão Grande fizeram 20 milhões de prejuízos nas atividades agrícolas, afirmou hoje o ministro da Agricultura, Capoulas Santos, no parlamento.

Os prejuízos referem-se à área específica do ministério, englobando este valor de 20 milhões perdas com plantações (vinhas, pomares, por exemplo), equipamentos ou explorações agrícola, explicou Capoulas Santos no final da interpelação dos Verdes sobre política florestal e desertificação do interior, no parlamento.

Durante o debate, o ministro anunciou a estimativa de 20 milhões de euros dos prejuízos causados pelos incêndios na zona de Pedrógão Grande, que fizeram 64 mortos e mais de 250 feridos, mas não especificou as áreas, que explicou depois aos jornalistas.

Em resposta a uma pergunta do deputado do PCP João Ramos, Capoulas Santos afirmou que o Governo já fez as estimativas dos prejuízos e terá de "existir a capacidade financeira para lhes dar resposta".

O anúncio foi feito por Capoulas Santos na interpelação, no parlamento, do Partido Ecologista "Os Verdes" (PEV), sobre a floresta e a desertificação do mundo rural.

O Governo já fez as estimativas dos prejuízos e terá de "existir a capacidade financeira para lhes dar resposta", afirmou Capoulas Santos em resposta ao deputado PCP João Ramos.

(Nota inicialmente, a notícia não indicava que se tratava de prejuízos ao nível da agricultura. Ministro só o esclareceu mais tarde)

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...