Arcebispo de Braga pede medidas e critica "passa-culpas"

Jorge Ortiga defende que mais importante do que fazer-se relatórios é aplicar as suas conclusões na prática

O arcebispo de Braga, Jorge Ortiga, defendeu hoje que os relatórios sobre incêndios só fazem sentido se servirem para corrigir o que correu mal e criticou o "passa-culpas" das entidades responsáveis pela prevenção e combate aos fogos.

"Dá impressão que surgem estes relatórios e a grande preocupação é desculparem-se. O Ministério do Interior [da Administração Interna] que se desculpa, a Proteção Civil que se desculpa e não somos capazes de assumir a responsabilidade", referiu.

Jorge Ortiga falava aos jornalistas durante uma ação de plantação de árvores na mata do Bom Jesus, em Braga, e reagia assim ao relatório da Comissão Técnica Independente sobre os incêndios de outubro, envolvendo oito distritos das regiões Centro e Norte

Para o arcebispo de Braga, os relatórios "são importantíssimos e imprescindíveis", mas desde que não fiquem "no papel".

Jorge Ortiga apelou a que se tirem "conclusões práticas e concretas" e se ponha a funcionar "de modo adequado" o que se constatar que correu mal.

"O que importa é que se chegue a conclusões práticas e que não fiquemos com um relatório, porque não faltam relatórios na história do nosso país nos últimos tempos que depois deixam tudo na mesma", rematou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."