Arcebispo de Braga pede medidas e critica "passa-culpas"

Jorge Ortiga defende que mais importante do que fazer-se relatórios é aplicar as suas conclusões na prática

O arcebispo de Braga, Jorge Ortiga, defendeu hoje que os relatórios sobre incêndios só fazem sentido se servirem para corrigir o que correu mal e criticou o "passa-culpas" das entidades responsáveis pela prevenção e combate aos fogos.

"Dá impressão que surgem estes relatórios e a grande preocupação é desculparem-se. O Ministério do Interior [da Administração Interna] que se desculpa, a Proteção Civil que se desculpa e não somos capazes de assumir a responsabilidade", referiu.

Jorge Ortiga falava aos jornalistas durante uma ação de plantação de árvores na mata do Bom Jesus, em Braga, e reagia assim ao relatório da Comissão Técnica Independente sobre os incêndios de outubro, envolvendo oito distritos das regiões Centro e Norte

Para o arcebispo de Braga, os relatórios "são importantíssimos e imprescindíveis", mas desde que não fiquem "no papel".

Jorge Ortiga apelou a que se tirem "conclusões práticas e concretas" e se ponha a funcionar "de modo adequado" o que se constatar que correu mal.

"O que importa é que se chegue a conclusões práticas e que não fiquemos com um relatório, porque não faltam relatórios na história do nosso país nos últimos tempos que depois deixam tudo na mesma", rematou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.