Só 172 proprietários pediram ajuda ao Estado para recuperar 1700 casas destruídas

Final do prazo para formalizar pedidos de ajuda é daqui a duas semanas

Apenas um décimo das famílias com casas destruídas pelos incêndios de outubro de 2017 formalizaram os pedidos de ajuda do Estado a duas semanas do fim do prazo, segundo a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC).

"Recebemos 10% dos pedidos até agora", disse hoje à agência Lusa a presidente da Comissão, Ana Abrunhosa, indicando que cerca de 1.700 imóveis de habitação permanente foram afetados pelos fogos que assolaram a região, nos dias 15 e 16 de outubro de 2017.

Nos serviços da CCDRC, em Coimbra, deram entrada 172 pedidos de apoio do Estado à reconstrução, acrescentou, para frisar que o prazo para os donos entregarem os "formulários devidamente preenchidos" foi fixado pelo Governo, no final de 2017, e termina no dia 31.

"No formulário, de preenchimento muito simples, a pessoa tem de demonstrar que é proprietária e que vive na casa", afirmou Ana Abrunhosa.

Entretanto, a CCDRC já fez pagamentos na ordem dos 75 mil euros para obras de menor monta em casas atingidas pelas chamas.

Das 1.700 casas de primeira habitação atingidas pelos incêndios, em 30 concelhos da região Centro, 694 precisam de uma "recuperação total", mas haverá situações em que a reconstrução "não será possível" no local, designadamente quando a casa foi implantada em leito de cheia, na Reserva Agrícola ou na Reserva Ecológica, entre outros casos que colidem com os planos urbanísticos em vigor em cada município.

Nestas circunstâncias, pode a CCDRC, com o acordo da família, comprar uma habitação ou mandar construir uma nova em local diferente.

"Não podemos é estar 'ad eternum' com um processo que ainda por cima é urgente", advertiu.

Se os titulares tiverem alguma dificuldade no preenchimento do formulário, "todas as câmaras têm pessoas a apoiar" nesta área, lembrou Ana Abrunhosa.

Por vezes, "as próprias autarquias têm algumas dificuldades em conseguir que as famílias lhes levem os documentos" a provar que são proprietárias dos imóveis, disse a presidente da CCDRC, prevendo que o Estado venha a gastar 80 milhões de euros nesta operação, de acordo com "uma estimativa por alto" dos custos.

Importa, antes de mais, que os pedidos sejam formalizados até 31 de janeiro, já que a falta temporária de alguns desses comprovativos "não será impeditiva" de aceder às ajudas financeiras públicas a fundo perdido, desde que as autarquias "garantam que se trata de uma situação que pode ser legalizada", sublinhou.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.