Incêndios: Altice acusa Anacom de não dizer a verdade

O relatório do regulador diz que a operadora não garantiu ligações a todos os clientes afetados pelos incêndios. Altice alega que clientes não tiveram disponibilidade de agenda.

As palavras do comunicado da Altice são fortes - "Repor a verdade" - e sem margem para disfarçar o incómodo que causou o relatório da Autoridade Nacional de Comunicações (ANACOM), que regula o setor, sobre o restabelecimento das comunicações nas zonas afetadas pelos incêndios de Pedrógão Grande.

"Após tornado público um relatório da ANACOM sobre Comunicações nas Zonas Afetadas pelos Incêndios e por este relatório ter sido construído na base de informação objetiva, clara e transparente, fornecida sobretudo pela Altice Portugal, esta lamenta e não pode admitir a comunicação enviesada daquela informação transmitida pelo Regulador à Comunicação Social", é assinalado.

Por isso, a Altice Portugal "vê-se obrigada a repor a verdade dos factos alicerçada nos números que comunica ao Regulador semanalmente".

De acordo com a avaliação da ANACOM, tornada pública esta manhã, a operadora Altice, dona da Meo, ainda não tinha, em meados de maio, todas as ligações restabelecidas nas zonas atingidas pelos incêndios, tanto em Pedrógão Grande como na região Centro. Nestas zonas, "estava por restabelecer a ligação de cerca de 1.300 clientes", precisou o presidente do regulados, João Cadete de Matos, no âmbito de um balanço sobre o setor neste período, a propósito do primeiro ano do incêndio de Pedrógão Grande, que se assinala em junho.

Do total de pessoas sem ligação naquelas zonas, 97% eram diretamente clientes da Altice, sendo que os 3% restantes, apesar de serem clientes de outras operadoras como a NOS, Vodafone e a ONI, "tinham ligações por repor porque o respetivo serviço estava suportado na rede do operador grossista, a Meo".

O balanço da Altice, que reafirma ter reconstruído até janeiro deste ano "toda a rede fixa e móvel ardida e que afetou cerca de meio milhão de clientes", tem, no entanto, outros elementos que podem justificar que ainda haja clientes se ligações telefónicas. Salienta que "tem vindo a proceder à totalidade das religações dos serviços, permanecendo pendentes unicamente as que se referem a agendamentos já efetuados e acordados com os próprios clientes (durante os próximos meses, a pedido desses, de acordo com a sua disponibilidade), ou que careçam de análise por parte do cliente".

Ou seja, "não há qualquer processo de religação em falta, por responsabilidade da Altice Portugal, desde 30 de abril" e "qualquer interpretação que se faça no sentido de invocar falta de reposição de comunicações por responsabilidade da Altice Portugal, é uma interpretação que não corresponde à verdade, essencialmente pelo facto de as religações agendadas só não estarem concretizadas por carecerem de disponibilidade de agenda dos clientes em causa ou de carecerem de disponibilidade de agenda dos clientes em causa ou de resposta destes"

A operadora afiança ainda que "permanecem ainda incontáctaveis (apesar das inúmeras tentativas e dos vários editais disponibilizados para o efeito nas Juntas de Freguesia afectadas em Fevereiro último) alguns clientes", lembrando que "a clara maioria destes clientes são cidadãos emigrados, habitantes sazonais ou ainda casos que respeitam a segundas habitações".

Conclui que "todos estes factos são do conhecimento do Regulador, pelo que a sua omissão desvirtua a leitura correta e verdadeira dos dados que de forma transparente, semanalmente, lhe são comunicados", sendo seu entendimento que "este tipo de postura em nada beneficia o Consumidor e o Setor das Comunicações, bem como poderá configurar um amplo extravasar das competências do Regulador"

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.