Incêndios: Altice acusa Anacom de não dizer a verdade

O relatório do regulador diz que a operadora não garantiu ligações a todos os clientes afetados pelos incêndios. Altice alega que clientes não tiveram disponibilidade de agenda.

As palavras do comunicado da Altice são fortes - "Repor a verdade" - e sem margem para disfarçar o incómodo que causou o relatório da Autoridade Nacional de Comunicações (ANACOM), que regula o setor, sobre o restabelecimento das comunicações nas zonas afetadas pelos incêndios de Pedrógão Grande.

"Após tornado público um relatório da ANACOM sobre Comunicações nas Zonas Afetadas pelos Incêndios e por este relatório ter sido construído na base de informação objetiva, clara e transparente, fornecida sobretudo pela Altice Portugal, esta lamenta e não pode admitir a comunicação enviesada daquela informação transmitida pelo Regulador à Comunicação Social", é assinalado.

Por isso, a Altice Portugal "vê-se obrigada a repor a verdade dos factos alicerçada nos números que comunica ao Regulador semanalmente".

De acordo com a avaliação da ANACOM, tornada pública esta manhã, a operadora Altice, dona da Meo, ainda não tinha, em meados de maio, todas as ligações restabelecidas nas zonas atingidas pelos incêndios, tanto em Pedrógão Grande como na região Centro. Nestas zonas, "estava por restabelecer a ligação de cerca de 1.300 clientes", precisou o presidente do regulados, João Cadete de Matos, no âmbito de um balanço sobre o setor neste período, a propósito do primeiro ano do incêndio de Pedrógão Grande, que se assinala em junho.

Do total de pessoas sem ligação naquelas zonas, 97% eram diretamente clientes da Altice, sendo que os 3% restantes, apesar de serem clientes de outras operadoras como a NOS, Vodafone e a ONI, "tinham ligações por repor porque o respetivo serviço estava suportado na rede do operador grossista, a Meo".

O balanço da Altice, que reafirma ter reconstruído até janeiro deste ano "toda a rede fixa e móvel ardida e que afetou cerca de meio milhão de clientes", tem, no entanto, outros elementos que podem justificar que ainda haja clientes se ligações telefónicas. Salienta que "tem vindo a proceder à totalidade das religações dos serviços, permanecendo pendentes unicamente as que se referem a agendamentos já efetuados e acordados com os próprios clientes (durante os próximos meses, a pedido desses, de acordo com a sua disponibilidade), ou que careçam de análise por parte do cliente".

Ou seja, "não há qualquer processo de religação em falta, por responsabilidade da Altice Portugal, desde 30 de abril" e "qualquer interpretação que se faça no sentido de invocar falta de reposição de comunicações por responsabilidade da Altice Portugal, é uma interpretação que não corresponde à verdade, essencialmente pelo facto de as religações agendadas só não estarem concretizadas por carecerem de disponibilidade de agenda dos clientes em causa ou de carecerem de disponibilidade de agenda dos clientes em causa ou de resposta destes"

A operadora afiança ainda que "permanecem ainda incontáctaveis (apesar das inúmeras tentativas e dos vários editais disponibilizados para o efeito nas Juntas de Freguesia afectadas em Fevereiro último) alguns clientes", lembrando que "a clara maioria destes clientes são cidadãos emigrados, habitantes sazonais ou ainda casos que respeitam a segundas habitações".

Conclui que "todos estes factos são do conhecimento do Regulador, pelo que a sua omissão desvirtua a leitura correta e verdadeira dos dados que de forma transparente, semanalmente, lhe são comunicados", sendo seu entendimento que "este tipo de postura em nada beneficia o Consumidor e o Setor das Comunicações, bem como poderá configurar um amplo extravasar das competências do Regulador"

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.