Medidas sobre alojamento local são "perigosas para mercado"

A Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP) considerou hoje que as medidas debatidas na Assembleia da República são "perigosas para a continuidade do mercado" de alojamento local.

Em comunicado, a APEMIP reagiu "com receio" sobre o futuro do alojamento local que, de acordo com o presidente Luís Lima, "poderá estar em causa com a eventual aprovação de uma medida daquela natureza".

Para o responsável, deixar nas mãos dos condomínios a hipótese de decidir "se o vizinho poderá ou não colocar a sua casa no mercado de alojamento local é absolutamente utópico".

Deixar nas mãos de outrem tal decisão é deixar os proprietários prisioneiros das cobiças e mexericos da má vizinhança

Na sexta-feira, cinco projetos de lei referentes ao alojamento local foram discutidos no plenário da Assembleia da República, baixando à Comissão de Ambiente, Ordenamento do Território, Descentralização, Poder Local e Habitação, sem votação, para discussão na especialidade.

PCP, Bloco de Esquerda, PS, PAN e PSD já se haviam mostrado "abertos ao diálogo", em sede de especialidade, para debaterem a regulação do alojamento local, já que os seus projetos defendem, na generalidade, a obrigatoriedade de uma autorização por parte da assembleia dos condóminos para o exercício da atividade.

Para o responsável da APEMIP, existe "muito populismo" à volta do impacto que o alojamento local tem na vida das pessoas e famílias que vivem nos centros das cidades, salientando que foi este mercado "a verdadeira pedra de toque para a dinamização do sector imobiliário no país".

"Trouxe investimento, incentivou a reabilitação urbana, redinamizou os centros das cidades, salvou sectores como a construção ou a restauração e gerou emprego para muita gente que viu neste mercado uma solução para, por exemplo, não ter que abandonar o país. Os anticorpos que se geram são desmedidos, pois na balança os benefícios são bem maiores do que os malefícios", refere o representante das imobiliárias portuguesas.

Luís Lima reconheceu também os problemas habitacionais que existem, sobretudo nas principais cidades do país, mas recordou, igualmente, que estas dificuldades já existiam bem antes de o alojamento local ganhar a dinâmica que tem ganho em Portugal.

"O mercado de alojamento local tem sido o bode expiatório para os problemas habitacionais que se vivem nas grandes cidades. Mas, só em receita fiscal este mercado arrecadou mais de 120 milhões de euros em 2017. Ora se há problemas, e se é ao Estado que compete resolvê-los, que tal utilizar este dinheiro para sanar os problemas habitacionais das famílias mais carenciadas", questionou Luís Lima.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.