IEFP avança com queixa contra associação por indícios de fraude

O Instituto de Emprego e Formação Profissional reclama 20 mil euros à Penas. Presidente foi, ao mesmo tempo, estagiário na Associação para a Proteção e Conservação das Aves de Rapina

Foram detetados indícios de fraude na Penas - Associação para a Proteção e Conservação das Aves de Rapina, com sede em Mafra. Segundo a TSF, o Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP) detetou "irregularidades em medidas ativas de apoio ao emprego apoiadas pelo estado".

Uma das situações detetadas foi o facto do presidente da Penas ter sido, ao mesmo tempo, estagiário na associação com apoios do Estado.

"O destinatário do apoio concedido era o presidente da associação que assinou o contrato como 1.º e 2.º outorgante", explica o Instituto do Emprego e Formação Profissional à TSF. Foi descoberto também que "a sede da associação é, simultaneamente, a morada do seu presidente".

O IEFP reclama agora 20 mil euros à Penas.

A pessoa em causa chama-se Isidro Santos. Já não é presidente da associação, mas confirmou à rádio que foi estagiário e presidente ao mesmo tempo. Justifica-se com o facto de estar desempregado na altura e garante que o IEFP foi informado dessa situação desde o início, pelo que, segundo afirma, não faz sentido reclamar agora o dinheiro.

O IEFP desmente, através de uma fonte oficial, que tenha autorizado esta situação, uma vez que seria ilegal.

Foram detetadas irregularidades em cinco processos apoiados pelo Estado e nesse sentido o IEFP solicitou à Penas a devolução do montante de 19.944 euros.

O Instituto já avançou com uma queixa ao Ministério Público por indícios de fraude nesta associação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.