Idoso encontrado morto perto do carro numa ravina

Sapadores florestais, bombeiros e militares da GNR mobilizados. Segundo comandante dos Bombeiros Voluntários de Pampilhosa da Serra, carro está a 350 metros da estrada.

Foi encontrado na manhã desta segunda-feira, já cadáver, a meio de uma ravina entre a estrada e o rio Ceira, em Cavaleiros (Pampilhosa da Serra) o idoso que estava desaparecido desde sábado. As buscas tinham sido desencadeadas sem êxito este domingo mas, hoje de manhã, já com reforços de meios, o homem, de 76 anos, foi localizado junto da sua viatura.

"Está a 350 metros, as equipas de sapadores florestais estão a abrir um faixa entre a vegetação para que se possa remover a viatura e o cadáver", explicou ao DN o comandante dos Bombeiros Voluntários de Pampilhosa da Serra. Segundo Marco Alegre "foi um rapaz que conseguiu avistar a viatura, quando passeava o cão na outra margem do rio".

No local estão quatro equipas de sapadores florestais (da Junta de Freguesia de Fajão e do município), elementos da GNR e ainda três equipas dos Voluntários da Pampilhosa da Serra. As buscas tinham sido retomadas, hoje, ao início do dia. A viatura sinistrada foi avistada pouco tempo depois. De acordo com informação prestada por fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro de Coimbra, eram 9.31 horas quando se confirmou oficialmente a presença do malogrado condutor, a escassos metros do automóvel.

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.