Hugo Soares diz que decisão de convocar eleições e não se recandidatar é sua

"O doutor Rui Rio transmitiu-me o desejo de trabalhar com uma direção de grupo parlamentar diferente, cabe ao presidente do grupo parlamentar interpretar os sinais e a decisão é minha de devolver a palavra aos colegas deputados para eleger nova direção", afirmou

O líder parlamentar do PSD afirmou esta quarta-feira que foi sua a decisão de convocar eleições para a bancada e não se recandidatar, perante a vontade expressa por Rui Rio de trabalhar com "uma direção do grupo parlamentar diferente".

"É evidente que não sou candidato", afirmou Hugo Soares, no final da reunião da bancada do PSD, questionado pelos jornalistas.

Sobre os motivos que o presidente eleito do PSD lhe terá dado para não querer continuar a trabalhar consigo, Hugo Soares frisou que Rui Rio "não tem de explicar motivos nenhuns".

"A decisão é minha e eu é que tenho de perceber se da parte do doutor Rui Rio há ou não há confiança política e vontade de continuar a trabalhar com a atual direção parlamentar (...) O doutor Rui Rio transmitiu-me o desejo de trabalhar com uma direção de grupo parlamentar diferente, cabe ao presidente do grupo parlamentar interpretar os sinais e a decisão é minha de devolver a palavra aos colegas deputados para eleger nova direção", explicou.

Para Hugo Soares, a conversa com Rui Rio "era a condição que faltava" para tomar a decisão de convocar eleições para a próxima semana, no dia 22.

O ainda líder da bancada agradeceu aos colegas que o elegeram "há cerca de seis meses com 85% dos votos" e assegurou que se manterá "na primeira linha de combate político ao PS".

"Foram seis meses muito difíceis: praticamente tomámos posse com o anúncio da não recandidatura do doutor Passos Coelho, com uma campanha interna do partido, com uma moção de censura, com um debate orçamental e vários debates quinzenais", recordou, dizendo não estar desiludido com este desfecho, apenas "orgulhoso no trabalho" feito nos últimos seis meses.

Questionado se ficou em causa a autonomia do grupo parlamentar, Hugo Soares não respondeu diretamente: "Não tenho dúvida nenhuma que o grupo parlamentar do PSD continuará a ser fortíssima oposição ao PS, é isso que nos deve mobilizar".

Quanto ao lugar que ocupará no futuro no parlamento, Hugo Soares não esclareceu se irá para a última fila do plenário, mas garantiu que estará "sempre na linha da frente no combate ao PS e a ajudar o doutor Rui Rio na construção de uma alternativa".

O líder parlamentar escusou-se também a "interpretar" se esta posição de Rui Rio será a melhor para unir o partido, dizendo que "a interpretação dos sinais é dos comentadores, dos articulistas".

Sobre o seu sucessor, Hugo Soares manifestou-se convicto que na bancada do PSD, "a maior do parlamento", "há várias e vários colegas com capacidade de protagonizar o combate a António Costa e de serem excelentes líderes parlamentares" e aproveitou para deixar um elogio ao ainda presidente do partido.

"Qualquer líder que desperdice o legado de Pedro Passos Coelho está a cometer um erro crasso, não me parece que o doutor Rui Rio o vá fazer", disse, considerando Passos "um dos melhores primeiros-ministros da história de Portugal".

Hugo Soares disse ainda esperar que o facto de a decisão de deixar a liderança da bancada ter sido articulada e comunicada com antecedência não traga qualquer "intranquilidade" ao Congresso do PSD do próximo fim de semana, que espera que decorra com "grande moderação".

Na reunião, que durou pouco mais de uma hora foram vários os deputados que usaram da palavra para agradecer o trabalho do ainda líder parlamentar, casos do vice-presidente do partido Marco António Costa, da dirigente Joana Barata Lopes ou de José Matos Correia e Duarte Marques.

Os ex-ministros Paula Teixeira da Cruz e Carlos Costa Neves, que tinham defendido publicamente a continuidade de Hugo Soares, também usaram da palavra.

Segundo fontes presentes na reunião, uma das intervenções mais críticas para o líder social-democrata eleito foi a do presidente da distrital de Lisboa, Pedro Pinto, que terá até manifestado intenção de não participar nas eleições da próxima semana.

Entre os apoiantes de Rui Rio, apenas falou o deputado Emídio Guerreiro, numa intervenção curta e que serviu sobretudo para agradecer o trabalho de Hugo Soares.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.