Hugo Soares critica direção da bancada por não se despedir de Montenegro

O anterior líder parlamentar do PSD considera que a bancada "falhou gravemente" por não ter falado na sessão de despedida do colega social-democrata

O anterior líder parlamentar do PSD, Hugo Soares, acusou hoje a direção da bancada de "falha grave" por não ter usado da palavra na ronda de intervenções de despedida a Luís Montenegro, crítica partilhada por outros deputados da bancada.

Numa troca de e-mails a que a Lusa teve acesso, o deputado e anterior vice-presidente da bancada do PSD Miguel Santos foi o primeiro a levar o assunto, mas outros como Marques Guedes e Paula Teixeira da Cruz também se associaram, embora com destinatários diferentes nas críticas.

Contactado pela Lusa, o líder parlamentar do PSD, Fernando Negrão, escusou-se a comentar o conteúdo dos e-mails trocados, mas afirmou que fez hoje em relação a Luís Montenegro "rigorosamente o mesmo" que tinha feito no momento da saída do ex-líder do PSD Pedro Passos Coelho do parlamento.

Num e-mail com o assunto "Plenário - despedida do Luís Montenegro", enviado a todos os deputados do PSD perto das 19:00, Miguel Santos diz ver "com lamento e tristeza" que, no momento da saída de Montenegro, "o elogio tenha surgido somente da parte do líder parlamentar do CDS".

O deputado recorda "o costume" em que todos os grupos parlamentares proferiam habitualmente algumas palavras, apontando o exemplo da saída do deputado do PCP Honório Novo em que todas as bancadas, incluindo o PSD, fizeram intervenções.

Na mesma linha, outro ex-líder parlamentar do PSD Luís Marques Guedes enviou também um e-mail, no qual lamentou que também tenha sido assim na despedida de Pedro Passos Coelho do parlamento.

"No parlamento, o respeito pelos adversários não é mais uma cortesia, é antes uma regra básica de elevação democrática, por estes tempos tão em desuso. É mais um exemplo de uma boa praxe parlamentar que esta esdrúxula legislatura atira para o lixo. Lamentável", critica.

Por volta das 20:00, Hugo Soares lamentou também o comportamento das restantes bancadas, à exceção da do CDS, recordando que Montenegro foi deputado 16 anos e líder parlamentar do PSD por sete.

"Mas não posso deixar de dizer que a causa da minha indignação interior não se prende com o comportamento dos nossos adversários; antes considero uma falha grave do grupo parlamentar do PSD não ter usado da palavra naquela circunstância e momento como se impunha. Hoje, e pela primeira vez, eu (e seguramente muitos colegas) não me senti representado com tamanha distração", afirma.

Também a ex-ministra Paula Teixeira da Cruz respondeu em tom crítico, lamentando o que chamou de "falta de reconhecimento" e "falta de respeito por quem soube unir uma bancada parlamentar".

Paula Teixeira da Cruz disse ainda lamentar que o reconhecimento "tenha vindo de outros", mais do que de quem deveria representar os deputados do PSD.

"A grandeza mede-se nos momentos difíceis. Não a vi", refere.

Antes da abertura da sessão de hoje, dedicada ao debate quinzenal com o primeiro-ministro, o presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, destacou a cordialidade de Luís Montenegro e desejou-lhe os maiores sucessos a "nível pessoal, profissional e político".

Em seguida, apenas usaram da palavra o Luís Montenegro e o líder parlamentar do CDS-PP, Nuno Magalhães.

O líder parlamentar do PSD, Fernando Negrão, viria a referir-se brevemente à saída de Montenegro já durante o seu tempo de intervenção no debate quinzenal para lhe endereçar "um grande abraço de amizade" e desejar-lhe "as maiores felicidades pessoais e profissionais".

Na despedida de Passos Coelho no parlamento, em 28 de fevereiro, apenas Ferro Rodrigues fez uma intervenção inicial - também em dia de debate quinzenal - tendo Fernando Negrão assinalado a saída já durante o período de debate, no que foi secundado pelo primeiro-ministro, António Costa, e pelo líder parlamentar do PS, Carlos César.

Em 21 de março, foi a vez do deputado CDS-PP Filipe Lobo d'Ávila deixar a Assembleia da República, tendo feito uma intervenção usando o tempo individual de que os deputados dispõem e sido cumprimentado no final pelos deputados Adão Silva (PSD) e Filipe Neto Brandão (PS), além do seu líder parlamentar.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.