Serra da Estrela. Já só há quartos para a passagem de ano

Quatros para o Natal já esgotaram e prevê-se que para a passagem de ano também aconteça o mesmo, refere o diretor-geral das unidades Luna na Serra da Estrela

Os hotéis da Serra da Estrela já estão com lotação esgotada ou praticamente esgotada para o Natal e para a passagem de ano, segundo disseram à Lusa os responsáveis de várias unidades hoteleiras da região.

"É efetivamente uma época muito boa para nós. Este ano, felizmente, já temos o Natal completo e para a passagem de ano já restam poucos quartos, sendo que as vendas estão a bom ritmo e a tradição diz-nos que vão esgotar", disse à agência Lusa Bruno Fernandes, diretor-geral das unidades Luna na Serra da Estrela.

Da oferta do grupo Luna constam o Hotel da Serra da Estrela, os Chalés de Montanha e o Hotel dos Carqueijais, que em conjunto têm capacidade para cerca de 500 pessoas e apresentam ofertas a vários preços que vão dos 150 euros aos 1.097 euros, dependendo do programa, das noites e do espaço escolhido.

No Natal, a oferta varia entre os 150 euros por pessoa para os que escolherem passar só uma noite, chegando aos 250 euros por pessoa para duas noites.

Já para a passagem de ano, o grupo Luna optou por apresentar programas "mais alargados", com o Hotel Serra da Estrela a apresentar um pacote de três noites que começa nos 478 euros por pessoa e vai até aos 600 euros por pessoa.

No caso do Hotel dos Carqueijais, a proposta é para duas noites e o preço varia entre os 328 e os 500 euros, dependendo do quarto escolhido.

Para os que preferirem mais privacidade, há ainda os chalés de montanha, cujo preço para duas noites é de 950 euros, valor que sobe para 1.097 euros para três noites e num espaço com capacidade para seis pessoas.

Com o preço mais modesto de 45 euros por noite e para duas pessoas apresenta-se a Pousada da Juventude Serra da Estrela, que está pronta a acolher 160 pessoas na noite que tem início em 2018.

"Já estamos com lotação esgotada desde setembro, o que confirma que este é um destino de excelência", referiu Pedro Farromba, presidente da Federação de Desportos de Inverno, entidade que detém a concessão deste espaço.

Igualmente sem vagas, quer para o Natal quer para a passagem de ano, está o H2otel, em Unhais da Serra, Covilhã, que tem 90 quartos e cujo programa especial de três noites para o fim de ano é de 700 euros por pessoa.

No Natal, ao preço de alojamento soma-se apenas o valor de 68 euros e as reservas também já estão totalmente preenchidas, segundo referiu Luís Veiga, administrador do grupo Natura IMB, no qual este hotel está inserido.

Este grupo espera também casa cheia no 'Puralã-Wool Valley', que resulta de uma requalificação do antigo Hotel Turismo da Covilhã e que já está praticamente preenchido para a Consoada e sem qualquer vaga disponível para o final do ano, cujo pacote de duas noites foi vendido a 300 euros por pessoa.

"Estes dois hotéis são ofertas de excelência, muito diferenciadoras e propícias para as famílias, pelo que não nos espanta esta procura. De resto, no caso do H2otel verificamos que cerca de 50% das reservas são de pessoas que já estiveram connosco noutros anos", apontou Luís Veiga.

A rondar os 70% estão os dois hotéis que este grupo detém na Guarda (Vanguarda e Lusitânia), mas para os quais também espera um aumento das reservas à medida que o fim do ano se aproxima.

Noutra das principais portas de entrada da Serra da Estrela está o Hotel Eurosol Seia Camelo, que receberá 155 pessoas na noite de passagem de ano, uma vez que já tem vendidos todos os pacotes que tinha disponíveis, designadamente de duas noites (395 euros/2 pessoas), três noites (480/2 pessoas) e quatro noites (558 euros/2 pessoas).

"Este ano fechamos ainda mais cedo do que noutros anos, o que indica que as pessoas querem mesmo vir passar o 'réveillon' na Serra da Estrela", apontou o diretor daquela unidade, Miguel Camelo.

Já no que concerne ao Natal, a procura não é tão acentuada, mas tem vindo a aumentar, pelo que Miguel Camelo acredita que a taxa de ocupação possa chegar aos 60%.

Além destas, há ainda outras unidades e alojamentos da região que certamente também vão contribuir para a encher a Serra da Estrela de visitantes nesta época festiva.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.