Hospital de Cascais defende regulamento que proíbe tatuagens e perfume

Sindicato tinha classificado partes do novo regulamento como "intolerável num estado democrático". Hospital responde dizendo que prioridade é "qualidade e segurança do serviço"

O Hospital de Cascais defendeu, numa nota enviada às redações, o novo regulamento da unidade que foi criticado esta sexta-feira de manhã por proibir, entre outras coisas, tatuagens e perfumes.

"O Hospital de Cascais lamenta a forma exacerbada como tem sido lido nas últimas horas parte do regulamento divulgado", começa por referir a nota. O hospital defende que tanto a unidade como o grupo a que pertence (é uma PPP gerida pelo grupo Lusíadas), promovem "a integração e a diversidade, promovendo igualmente o serviço público de qualidade", o que inclui, respeitar "normas e requisitos, sobejamente conhecidos, de controlo de infeção".

O Sindicato dos Médicos da Zona Sul divulgou na sua página as críticas ao novo regulamento que proíbe também sandálias e saias curtas e recomenda joias "simples e discretas".

O hospital argumenta que o regulamento existe para promover "a qualidade e segurança de serviço que os utentes nos merecem, e aquilo que a população espera de nós, implica que seja mantido um ambiente de respeito pelos utentes e que sejam conhecidas por todos os profissionais normas de conduta".

"Respeitar o público, as pessoas que servimos e os nossos profissionais são prioridades do Hospital", conclui a nota.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.