Homossexualidade "é uma anomalia". Gentil Martins arrisca inquérito da Ordem

Entrevista do cirurgião gerou polémica e deu origem a queixas

O bastonário da Ordem dos Médicos admitiu hoje ao Observador que as declarações de Gentil Martins, 87 anos, ao Expresso poderão ser alvo de um inquérito. Miguel Guimarães explicou que duas médicas manifestaram a intenção de apresentar queixa e que quando isso acontecer a Ordem vai ter de analisar o caso.

O cirurgião Gentil Martins defendeu na entrevista na revista do Expresso que a homossexualidade constitui "uma anomalia", "um desvio da personalidade". "Como os sadomasoquistas ou as pessoas que se mutilam", comparou. O médico garantiu que quando tem de tratar estas pessoas o faz "como a qualquer doente", mas realçou que não aceita promovê-la.

Manifestando-se contra a adoção de crianças por pessoas do mesmo sexo e contra o aborto, o médico católico praticante, foi também bastante crítico em relação a Cristiano Ronaldo, que recorreu a barrigas de aluguer para ter três filhos.

"Considero um crime grave. É degradante, uma tristeza. O Ronaldo é um excelente atleta, tem imenso mérito, mas é um estupor moral, não pode ser exemplo para ninguém ", disse, defendendo que "toda a criança tem direito a ter mãe".

A deputada do PS Isabel Moreira apelou no Facebook a uma denúncia na Ordem dos Médicos, considerando que as declarações de Gentil Martins relativamente à homossexualidade "violam a deontologia médica e têm consequências negativas, graves, gravíssimas".

Duas médicas terão contactado a Ordem dos Médicos a avisar que iriam apresentar queixa na Ordem, segundo disse o bastonário ao Observador. Se essa queixa for formalizada, o conselho de Jurisdição terá de analisar as declarações, pesando o equilíbrio entre a liberdade de expressão e "o dever que os médicos têm de ter um comportamento público adequado à dignidade da profissão", explicou ao site Miguel Guimarães.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

As vidas atrás dos espelhos

Mais do que qualquer apetite científico ou do que qualquer desejo de mergulho académico, o prazer dos documentários biográficos vai-me servindo sobretudo para aconchegar a curiosidade e a vontade de descobrir novos pormenores sobre os visados, até para poder ligar pontas que, antes dessas abordagens, pareciam soltas e desligadas. No domínio das artes, essas motivações crescem exponencialmente, até por permitirem descobrir, nas vidas, circunstâncias e contextos que ganham reflexo nas obras. Como estas coisas valem mais quando vão aparecendo naturalmente, acontecem-me por revoadas. A presente pôs-me a ver três poderosos documentos sobre gente do cinema, em que nem sempre o "valor facial" retrata o real.

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.