Homens são as maiores vítimas de extorsão sexual nas redes sociais

São aliciados por amigas no Facebook a despir-se para a câmara em poses eróticas. Depois são chantageados e pagam até cinco mil euros. Aumento de 80% de casos é preocupante

O aliciamento funciona assim: um homem é convidado a aceitar como amiga no Facebook uma "Gisele Bündchen". Alta, loura, gira... é uma amizade com tudo para funcionar. Depois de uns dias de conversas "picantes" no chat, Gisele sugere que o amigo fale com ela pelo Skype, onde até se podem ver. Em frente à câmara, a amiga despe-se, faz um show erótico e convence o "alvo" a acariciar-se em poses sugestivas tal como ela. No dia seguinte já não é Gisele a contactá-lo na rede social, mas um desconhecido, que ameaça divulgar as suas imagens ousadas no Facebook aos seus amigos e familiares, a não ser que ele pague... e muito.

"As quantias pedidas da primeira vez às vítimas têm variado entre os 500 e os 5000 euros", diz Carlos Cabreiro, coordenador da secção de crime informático da diretoria de Lisboa da Polícia Judiciária.

"Houve um aumento exponencial de casos em Portugal e o perfil da vítima é preocupante: homem, de classe média, com conhecimentos informáticos para lá do básico e esclarecido", descreveu o coordenador de investigação criminal.

Até setembro deste ano, 68 homens portugueses tinham apresentado queixa por sextorsion, a expressão internacional para extorsão sexual na Polícia Judiciária, o novo método de extorquir dinheiro a vítimas desprevenidas nas redes sociais. Só no final do primeiro semestre, o aumento de casos em todo o país, por comparação com 29 denúncias no ano de 2014, já era de 80%. "Estimamos que devemos chegar ao fim do ano com 80 casos em todo o país", afirmou Carlos Cabreiro.

Como a extorsão sexual é um termo usado pela Europol para descrever o modo de atuar (modus operandi) e ainda não está tipificado como crime no Código Penal português, as participações à PJ são pelos ilícitos de extorsão e acesso ilegítimo a dados. "Houve pessoas que pagaram 200, mil ou cinco mil euros. E depois perceberam que o chantagista continuava a pedir dinheiro. Quando vieram apresentar queixa foi no momento em que interiorizaram que foram usados."

A dificuldade de investigar

Ainda não há detidos porque o crime pode ser praticado a partir de um computador em qualquer zona do mundo. O primeiro obstáculo para os investigadores da PJ é precisamente o de localizar o criminoso que está a praticar a extorsão. Pode estar num computador com endereço IP português, chinês, brasileiro ou norte-americano.

"A mulher que é usada como isco e que se torna amiga da vítima e depois aparece no Skype em determinadas poses muitas vezes nem é real. Já houve situações em que quem estava por trás do esquema, para mostrar poder à vítima, mandou um link com o vídeo da dita mulher", conta Carlos Cabreiro. Vídeo-padrão que já foi usado em mais casos. "Até o contacto feito em português com a vítima é fácil de fazer, com a colaboração de alguém. O Brasil pode ser um eixo de preferência por ter a mesma língua, mas isto vai além deste ou daquele país, é um crime com uma vertente internacional. E com um uso diversificado de várias plataformas." Em "80 a 90% dos casos nada liga os suspeitos a Portugal", sublinha o investigador em crime informático.

Pela dificuldade de obtenção de prova, "a investigação está muito dependente da cooperação internacional". Nos Estados Unidos um homem de 27 anos foi condenado em 2013 a mais de cem anos de prisão por ter pirateado os computadores de 350 vítimas adolescentes, a quem fez sextorsion. O FBI ainda procurava neste ano mais vítimas desse criminoso.

Cibercrime sempre a subir

Os crimes por via informática têm vindo sempre a subir em Portugal. Nos últimos três a quatro anos, "tem-se assistido a aumentos de 20% a 30% no cibercrime, com referência a 2015 para as situações que envolvem as redes sociais", analisa Carlos Cabreiro.

Dos crimes de exploração sexual de menores, como a pornografia infantil e o abuso, às burlas com cartões de crédito e cardasharing, passando pelos crimes contra a honra das pessoas, como a injúria ou a difamação, é cada vez mais abrangente o leque de ilícitos transpostos para a realidade virtual.

A diretoria de Lisboa da PJ tem cerca de 200 inquéritos abertos por pornografia de menores na internet. Ainda são muitos casos, apesar da maior atenção a este crime, também praticado por jovens.

Ler mais

Exclusivos

Premium

educação

O que há de fascinante na Matemática que os fez segui-la

Para Henrique e Rafael, os números chegaram antes das letras e, por isso, decidiram que era Matemática que seguiriam na universidade, como alunos do Instituto Superior Técnico de Lisboa. No dia em que milhares de alunos realizam o exame de Matemática A, estes jovens mostram como uma área com tão fracos resultados escolares pode, afinal, ser entusiasmante.