Homens podem recasar mais depressa que as mulheres. BE propõe mudança

BE apresenta projeto-lei que defende alteração ao Código Civil, eliminando a discriminação no prazo internupcial

É um "resquício bafiento" da legislação que o Bloco de Esquerda quer remover do Código Civil: a lei de 1967, mantida em 1977, define que, após um divórcio, os homens e as mulheres esperam tempos diferentes para voltarem a casar - eles têm 180 dias (seis meses) para recasar, elas só o podem fazer ao fim de 300 dias (dez meses).

O Bloco de Esquerda propõe-se agora acabar com esta discriminação, como explicou ao DN a deputada Sandra Cunha, colocando o prazo entre um divórcio e um casamento em 180 dias para os dois sexos, avançando com um projeto-lei que será discutido amanhã no Parlamento, por ocasião do Dia da Mulher.

Este prazo está inscrito no artigo 1605.º do Código Civil, sobre o "prazo internupcial". Na sua primeira versão de 1967, escrevia-se que os 180 ou 300 dias eram "conforme se trate de varão ou mulher". Em 1977, a lei foi mudada mas pouco: desapareceu o termo varão, mas os prazos mantiveram-se inalterados. Também sem alterações continuou a exceção admitida para a mulher se casar passados 180 dias - "se obtiver declaração judicial de que não está grávida ou tiver tido algum filho depois da dissolução, declaração de nulidade ou anulação do casamento anterior".

A discriminação nos prazos, apontada pelo BE, era então justificada, segundo Sandra Cunha, "por razões de decoro social", daí ser estabelecido um prazo para a mulher que evitasse conflitos de resolução de paternidade. Hoje, este articulado "não faz sentido nenhum", até pelos avanços da ciência, com testes de paternidade, que permitem dirimir eventuais dúvidas.

Com este projeto-lei, o BE mantém o prazo dos 180 dias necessários entre a dissolução de um casamento e um novo matrimónio, apesar da deputada bloquista entender que também aí se podia mexer. "O Estado não tem de se imiscuir" neste tipo de regulações, defendeu. Mas como haveria questões que implicam com este prazo internupcial, como por exemplo nas regulações parentais e de divisão e partilha de bens, o BE preferiu manter o dito prazo de 180 dias.

Duas recomendações ao Governo

A bancada do BE vai avançar, ainda esta semana, com outras duas iniciativas. Um projeto de resolução que recomenda ao Governo para combater a discriminação das mulheres e a promoção da igualdade de género nas forças de segurança, também para ser debatido amanhã. E outro, a discutir na sexta-feira, que visa a "capacitação das forças de segurança para a proteção à vítimas de violência doméstica".

No primeiro caso, segundo a deputada Sandra Cunha, trata-se de "regulamentar de forma explícita" os direitos das mulheres, depois de terem sido detetadas situações em que, sobretudo em período de gravidez e maternidade, se verificam situações discriminatórias de "remuneração recebida pelas mulheres que exercem funções policiais".

Outro aspeto que este projeto quer alterar prende-se com o facto de uma "larga maioria dos locais de trabalho", como esquadras ou quartéis, serem "pensados e construídos com base na exclusividade masculina no setor", continuando "a não assegurar, em condições de igualdade, as melhores condições para as mulheres".

O segundo projeto de resolução recomenda ao Governo que reforce a formação dos elementos das forças de segurança no apoio às vítimas de violência doméstica. "Pelo menos um membro de cada patrulha tem de ter essa formação", defendeu Sandra Cunha ao DN. E deve ser incentivada a participação nessas formações.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.

Premium

Viriato Soromenho Marques

A política do pensamento mágico

Ao fim de dois anos e meio, o processo do Brexit continua o seu rumo dramático, de difícil classificação. Até aqui, analisando as declarações dos principais atores de Westminster, o Brexit apresenta mais as tonalidades de uma farsa. Contudo, depois do chumbo nos Comuns do Plano May, ficou nítido que o governo e o Parlamento britânicos não só não sabem para onde querem ir como parece não fazerem a mínima ideia de onde querem partir. Ao ler na imprensa britânica as palavras de quem é suposto tomar decisões esclarecidas, quase se fica ruborizado pelo profundo desconhecimento da estrutura e pelo modo de funcionamento da UE que os engenheiros da saída revelam. Com tamanha irresponsabilidade, não é impossível que a farsa desemboque numa tragicomédia, causando danos a toda a gente na Europa e pondo a própria integridade do Reino Unido em risco.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro: "O outro e o mesmo"

No tempo em que se punha pimenta na língua dos meninos que diziam asneiras, estudar Gil Vicente era uma lufada de ar fresco: ultrapassados os obstáculos iniciais daquela língua com borrifos de castelhano, sabia bem poder ler em voz alta numa aula coisas como "caganeira" e soltar outras tantas inconveniências pela voz das personagens. Foi, aliás, com o mestre do teatro em Portugal que aprendi a vestir a pele do outro: ao interpretar numa peça da escola uma das suas alcoviteiras, eu - que detesto arranjinhos, leva-e-traz e coscuvilhice - tive de esquecer tudo isso para emprestar credibilidade à minha Lianor Vaz. E talvez um bom actor seja justamente o que consegue despir-se de si mesmo e transformar-se, se necessário, no seu avesso. Na época que me coube viver, tive, aliás, o privilégio de assistir ao desempenho de actores geniais que souberam sempre ser outros (e o outro) a cada nova personagem.

Premium

Rogério Casanova

A longa noite das facas curtas

No terceiro capítulo do romance Time Out of Joint, o protagonista decide ir comprar uma cerveja num quiosque de refrigerantes que avistou à distância. Quando se aproxima, o quiosque de refrigerantes torna-se transparente, decompõe-se em moléculas incolores e por fim desaparece; no seu lugar, fica apenas um pedaço de papel, com uma frase inscrita em letras maiúsculas "QUIOSQUE DE REFRIGERANTES". É o episódio paradigmático de toda a obra de Philip K. Dick, na qual a realidade é sempre provisória e à mercê de radicais desestabilizações, e um princípio criativo cuja versão anémica continua a ser adoptada por qualquer produtor, realizador ou argumentista que procura tornar o seu produto intrigante sem grande dispêndio de imaginação.