Homem morre em piscina municipal

Um homem de 24 anos, monitor de um grupo de jovens em campo de férias, morreu esta segunda-feira nas Piscinas Municipais de Espinho, disseram fontes do INEM e da câmara.

Segundo o Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), o alerta foi dado pelas 14.57, tendo o homem sido encontrado em "paragem cardiorrespiratória" pela equipa que se deslocou às piscinas e procedeu a manobras de reanimação, mas acabou por declarar o óbito no local.

Fonte da autarquia contou à Lusa que o indivíduo de Francelos se encontrava nas piscinas na qualidade de monitor de um grupo de jovens de um campo de férias que estava alojado no parque de campismo de Espinho.

A mesma fonte relatou que o homem "estava a nadar quando foi detetado que estava com problemas na água".

"Terá sido uma congestão por ele ter almoçado às 13.30 e não ter esperado tempo suficiente até entrar na água", referiu a mesma fonte, acrescentando que, segundo uma outra monitora do grupo, o indivíduo terá feito "uma aposta, ou algo do género, em como conseguia fazer apneia de uma ponta à outra da piscina", com 50 metros de comprimento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.