Homem morre carbonizado em queimada descontrolada

Quando os bombeiros chegaram ao incêndio a vítima já estava sem vida

Um homem de 65 anos morreu hoje carbonizado em Amêndoa, no concelho de Mação, devido a uma queimada que estaria a fazer e que se descontrolou, propagando-se a mato contíguo à sua horta, disse fonte dos bombeiros.

"Fomos chamados para uma queimada descontrolada em Monte Fundeiro, na freguesia de Amêndoa, e, quando os bombeiros começaram a combater o fogo, viram que estava lá no meio um homem carbonizado, já cadáver", disse à agência Lusa o comandante dos Bombeiros Voluntários de Mação, no distrito de Santarém.

Segundo Pedro Jana, o homem "estaria a fazer uma queimada de sobrantes nos terrenos da sua horta" e o "tempo seco e o vento que se fazia sentir propagaram as chamas a uma zona de mato e silvados ali existentes", tendo o sinistrado perdido o controlo da mesma.

"Fomos chamados cerca das 14:00 e foram necessárias três viaturas para apagar o incêndio, mas os bombeiros já não conseguiram salvar o homem, que já estava cadáver", observou, acrescentando que a Polícia Judiciária esteve no local e que o sinistrado acabou por ser transportado para a morgue do hospital de Abrantes.

O comandante disse ainda que "as queimadas descontroladas têm originado várias ocorrências no concelho", tendo apelado a que se tenha o "máximo de cuidado e precaução" com estes procedimentos "ou não as fazer, de todo".

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.