Homem ferido em largada de touros na Moita

Um homem ficou ferido na largada de touros que decorreu na madrugada deste sábado na Moita, depois de ter sido colhido, tendo sido transportado para o hospital, disse à Lusa fonte da Comissão de Festas.

"O homem foi colhido e transportado ao hospital do Barreiro. Depois acabou por ser transferido para o hospital de S. José, em Lisboa, mas a informação que temos é que não corria risco de vida", disse à Lusa Clarisse Santos, da Comissão de Festas da Moita.

O homem foi colhido na segunda largada de touros noturna integrada nas festas em honra de Nossa Senhora da Boa Viagem.

Na primeira largada noturna das Festas da Moita, que ocorreu na madrugada do dia 13 de setembro, dois homens, de 46 e 27 anos, também foram colhidos e acabaram por morrer devido aos ferimentos causados.

A vítima deste sábado estava junto a uma árvore quando o touro investiu na sua direção, ainda tentou contornar a árvore mas acabou por ser colhido com violência. O homem tentou depois fugir mas o animal foi de novo na sua direção, tento sido colhido uma segunda vez, saindo do recinto amparado por outros populares, constatou a Lusa no local.

Ao longo de toda a semana realizaram-se largadas de touros durante a manhã na avenida principal da vila da Moita, tendo-se registado alguns feridos, mas sem gravidade.

As Festas da Moita terminam no domingo, estando agendada para as 10.00 a última largada de touros na avenida, que é dividida em três zonas, num evento que atrai milhares de pessoas ao concelho, com muitas tradições ligadas à tauromaquia.

Na tarde de sexta-feira decorreu na Moita a Tarde do Fogareiro, que atraiu mais de 15 mil pessoas à avenida, onde já a final do dia aconteceram alguns desacatos, que foram prontamente sanados pela intervenção da GNR.

"Aconteceu uma situação pontual que teve a ver com um ajuste de contas, onde foi utilizada uma arma branca, mas os ferimentos não foram graves. Foi uma situação isolada protagonizada por um grupo de jovens", explicou Clarisse Santos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.