Suspeito de abuso sexual de criança fica em prisão preventiva

O homem, de 36 anos, foi detido na quinta-feira e confessou parcialmente os factos pelos quais é acusado

Um homem de 36 anos foi preso preventivamente por estar indiciado pela prática de um crime de abuso sexual de criança, ocorrido em Benavente (distrito de Santarém), afirma uma nota do Ministério Público (MP).

O homem foi detido na quinta-feira e, em primeiro interrogatório judicial, confessou parcialmente os factos pelos quais está indiciado, refere a nota da Procuradoria de Santarém do MP.

"O arguido já era investigado em dois outros inquéritos relativos a crimes da mesma natureza, estando constituído como tal num deles e sendo mero suspeito no outro, o qual tem contornos de pornografia infantil através de informática, incidindo ambos sobre crianças com menos de 14 anos de idade", acrescenta.

No interrogatório, o MP sublinhou "os perigos de continuação da atividade criminosa, para além de perigo para a aquisição, conservação e veracidade da prova bem como de perturbação da ordem e tranquilidade públicas, dado o meio rural restrito, em termos de território e de população, onde os factos ocorreram".

O juiz entendeu aplicar a medida de coação de prisão preventiva "como única medida de coação capaz de obstar a tais perigos", indica a nota, adiantando que o inquérito prossegue no Departamento de Investigação e Ação Penal de Santarém e a investigação pela Polícia Judiciária.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).