Homem condenado por maltratar 24 cães

O Tribunal de Setúbal condenou um criador de cães de Palmela a quatro anos e seis meses com pena suspensa

Um criador de cães de Palmela foi condenado na quarta-feira pelo Tribunal de Setúbal a uma pena de prisão de quatro anos e seis meses, suspensa por igual período, por maltratar 24 animais de companhia.

A notícia foi avançada esta quinta-feira pelo jornal Público, que revela ter sido esta a condenação mais pesada em Portugal desde que a lei sobre os maus tratos a animais entrou em vigor em 2014.

O homem, de 60 anos, agricultor e gerente de uma empresa agrícola, foi considerado culpado por 17 crimes de maus tratos a animais de companhia e por oito crimes de maus tratos agravados, estes relacionados com os animais que morreram.

A pena inclui ainda o pagamento de 2.500 euros à associação de defesa de animais que acolheu os 17 cães que foram retirados ao criador de Palmela.

O homem está ainda proibido de ter animais de companhia durante cinco anos e vai ser acompanhado pela Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais, com o objetivo de "aprofundar" a sua "consciencialização", justifica a juíza, citada pelo Público.

O Tribunal de Setúbal considerou como provado que os animais não eram bem alimentados, não tinham água limpa suficiente e viviam sem condições de saúde, higiene e conforto.

A sentença que o jornal cita refere que "todos os animais sem exceção" se encontravam infestados de parasitas internos e externos e estavam sujos com excrementos e urina, sem assistência veterinária.

Os cães que a GNR encontrou quando esteve na propriedade em 2015 eram de várias idades e raças como Labrador, Cane Corso, Spitz Alemão, Shar Pei e Buldogue Francês.

Oito cães, uma cadela e as suas seis crias, morreram nas horas seguintes à busca. Um desfecho que o tribunal considerou estar relacionado com as más condições em que se encontravam na quinta do homem, que, foi provado, dedicava-se à criação de cães para comércio.

Segundo o Público, a juíza explicou que a conduta do indivíduo é criminosa por omissão e não por ação, não havendo registo de crueldade ativa, mas sim do não cumprimento dos seus deveres para com os cães que tinha na sua propriedade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).