Homem acusado de homicídio de primo

O Ministério Público (MP) acusou um homem, de 45 anos, de homicídio qualificado por, alegadamente, ter matado a tiro um primo em junho de 2013, apos uma discussão no exterior de um supermercado no Porto Alto, no concelho de Benavente.

O arguido, vendedor ambulante, e a sua mulher iniciaram uma discussão com a vítima e a respetiva mulher, no interior da superfíce comercial, segundo o despacho de acusação do MP, a que a agência Lusa teve acesso. Os funcionários acabaram por retirar os dois casais do interior do estabelecimento, tendo a discussão continuado no parque de estacionamento, local onde a vítima foi baleada mortalmente.

"No decurso da discussão mantida com a vítima, o arguido empunhou uma pistola 6.35 milímetros - que se encontrava municiada e pronta a disparar - e, quando se encontrava a cerca de um metro de Simão Barreiras, desferiu quatro disparos, atingindo-o na zona esquerda do tórax e junto ao nariz", sustenta o MP.

O despacho de acusação destaca que o "o arguido agiu dessa forma, motivado por razão desprezível e irrelevante, decorrente de uma mera discussão familiar", e que "quis e conseguiu" matar o ofendido.O indivíduo é acusado de um crime de homicídio qualificado e de detenção de arma proibida e encontra-se em prisão preventiva ao abrigo deste processo.

Ainda não há data para o início do julgamento, que vai decorrer no Tribunal de Benavente

Ler mais

Exclusivos

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".