Homem acusado de homicídio de primo

O Ministério Público (MP) acusou um homem, de 45 anos, de homicídio qualificado por, alegadamente, ter matado a tiro um primo em junho de 2013, apos uma discussão no exterior de um supermercado no Porto Alto, no concelho de Benavente.

O arguido, vendedor ambulante, e a sua mulher iniciaram uma discussão com a vítima e a respetiva mulher, no interior da superfíce comercial, segundo o despacho de acusação do MP, a que a agência Lusa teve acesso. Os funcionários acabaram por retirar os dois casais do interior do estabelecimento, tendo a discussão continuado no parque de estacionamento, local onde a vítima foi baleada mortalmente.

"No decurso da discussão mantida com a vítima, o arguido empunhou uma pistola 6.35 milímetros - que se encontrava municiada e pronta a disparar - e, quando se encontrava a cerca de um metro de Simão Barreiras, desferiu quatro disparos, atingindo-o na zona esquerda do tórax e junto ao nariz", sustenta o MP.

O despacho de acusação destaca que o "o arguido agiu dessa forma, motivado por razão desprezível e irrelevante, decorrente de uma mera discussão familiar", e que "quis e conseguiu" matar o ofendido.O indivíduo é acusado de um crime de homicídio qualificado e de detenção de arma proibida e encontra-se em prisão preventiva ao abrigo deste processo.

Ainda não há data para o início do julgamento, que vai decorrer no Tribunal de Benavente

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.