Hélder Bataglia apresentou-se voluntariamente no DCIAP

Informação foi prestada pelo advogado do empresário luso-angolano

O empresário luso-angolano Hélder Bataglia apresentou-se voluntariamente no Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) para interrogatório complementar no âmbito do processo Operação Marquês, disse hoje o seu advogado.

Num curto comunicado, Rui patrício acrescenta que o seu constituinte prestou "todos os esclarecimentos solicitados" e mantém-se "disponível para (continuar a) prestar às autoridades judiciárias a colaboração considerada necessária".

O empresário Hélder Bataglia está sujeito à medida de coação de termo de identidade e residência e não lhe foram decretadas outras medidas de coação, assim como não pendem sobre ele quaisquer mandados de detenção, nacional ou internacional, acrescenta o advogado.

A Lusa contactou Rui Patrício, no sentido de obter mais esclarecimentos, mas o advogado disse que ele e o seu constituinte não tencionam fazer qualquer outro comentário além do referido no comunicado.

O processo Operação Marquês conta com mais 17 arguidos, entre os quais o antigo primeiro-ministro socialista José Sócrates, que esteve preso preventivamente mais de nove meses, e que está indiciado por fraude fiscal qualificada, branqueamento de capitais e corrupção passiva para ato ilícito.

Entre os arguidos contam-se o ex-ministro socialista Armando Vara e a filha, Carlos Santos Silva, empresário e amigo do ex-primeiro-ministro, Joaquim Barroca, empresário do grupo Lena, João Perna, antigo motorista do ex-líder do PS, Paulo Lalanda de Castro, do grupo Octapharma, Inês do Rosário, mulher de Carlos Santos Silva, o advogado Gonçalo Trindade Ferreira e os empresários Diogo Gaspar Ferreira e Rui Mão de Ferro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.