Haxixe e cocaína, as drogas mais apreendidas em Portugal

Localização geográfica do nosso país é importante para as redes internacionais de tráfico

O haxixe e a cocaína foram as drogas mais aprendidas em 2014, ano em que pela primeira vez as apreensões de cannabis herbácea foram superiores às de heroína. Holanda, Marrocos e Brasil são algumas das principais origens da droga apanhada pelas autoridades policiais. PJ identificou 5575 intervenientes relacionados com tráfico de estupefacientes nos principais aeroportos internacionais.

Segundo o o Relatório Anual " A Situação do País em Matéria de Drogas e Toxicodependências - 2014", o haxixe foi a substância com o maior número de apreensões (3 472) nesse ano, seguindo-se a cocaína (1 042). "Pela primeira vez o número de apreensões de cannabis herbácea (771) foi superior ao de heroína (690). As apreensões de ecstasy continuam a registar números bastante inferiores (138). Como habitualmente, foram confiscadas várias outras substâncias, nomeadamente benzodiazepinas, anfetaminas e algumas substâncias alucinogénias", adianta o relatório apresentado hoje no Parlamento pelo Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências (SICAD).

Em relação a 2013, registaram-se decréscimos no número de apreensões de heroína e de cocaína, aumentos nas de ecstasy e de haxixe, mantendo-se estável o número de apreensões de cannabis herbácea. No caso do haxixe e da cannabis herbácea, verificaram-se nos últimos seis anos os valores mais elevados desde 2002, mantendo-se a tendência de aumento do número de apreensões. Em contrapartida, os números de apreensões de heroína e de cocaína têm vindo a diminuir nos últimos anos, registando-se em 2014 os valores mais baixos respetivamente desde 2002 e 2005.

A nível das quantidades apreendidas em 2014, verificaram-se aumentos em relação a 2013 a nível da cannabis - haxixe e liamba - e da cocaína, registando-se em contrapartida, diminuições das quantidades confiscadas de heroína e de ecstasy. "No que respeita ao grau de pureza das drogas apreendidas, a potência (% THC) média da cannabis, e em particular da cannabis resina, tem vindo a aumentar nos últimos anos, atingindo em 2014 os valores médios mais elevados desde 2005", alerta o documento.

PJ identificou 5575 pessoas relacionadas com tráfico

Relativamente aos principais países de proveniência das drogas apreendidas em Portugal, "destacaram-se no âmbito do tráfico internacional com as maiores quantidades apreendidas a Holanda a nível da heroína, o Brasil no caso da cocaína, Marrocos no caso do haxixe, Espanha a nível da liamba e Alemanha e Israel no caso do ecstasy". Apesar de não funcionar como sede de organizações criminosas, "mantém-se a relevância do posicionamento geoestratégico de Portugal em matéria de tráfico internacional, sobretudo de cocaína, apesar dos indícios recentes de uma maior diversificação destas rotas".

De acordo com o Relatório Anual 2014 - Respostas e Intervenções no Âmbito dos Comportamentos Aditivos e Dependências, a PSP realizou 34 ações de controlo, vigilância e fiscalização em pequenos aeroportos e aeródromos. Já em relação aos aeroportos internacionais de Lisboa, Porto, Faro e Funchal as ações cabem à Polícia Judiciária (PJ), que tem nos locais elementos destacados em permanência.

"Em 2014 foram identificados pela PJ um total de 5.575 intervenientes relacionados com tráfico de estupefacientes, dos quais 4.571 detidos (82%), detidos estes que integravam os vários grupos criminosos investigados, parcial ou integralmente desarticulados no nosso país. Destes detidos, 757 (16%) tinham nacionalidade de países estrangeiros sendo portugueses os restantes 84%", diz o relatório.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.