"Havia uma mistura de várias culturas. Achei deslumbrante"

Marina Santos, 41 anos, Administrativa, Torres Vedras

"Uma forma de abrir fronteiras", "ninguém se vai esquecer da Expo"98". Marina Santos tem dificuldades em escolher um momento alto dos três dias em que visitou o recinto da exposição mundial organizada por Portugal em 1998. Aliás, só tem elogios para aquele que foi um evento "extremamente importante para Portugal".

"Na altura tinha cerca de 20 anos e achei aquilo [a Expo"98] deslumbrante. Nunca tinha visto uma coisa assim, até porque há 20 anos não tínhamos a liberdade que os miúdos têm agora", recorda.

Destaca a "a mistura de culturas" que encontrou na zona oriental de Lisboa, o que lhe transmitiu uma "experiência fora do normal". De tal forma que aproveitou ao máximo o passe de três dias que tinha comprado salientando que viu "quase tudo" o que a organização tinha ao dispor dos visitantes, não conseguindo nomear um espetáculo, um pavilhão ou uma exposição que fosse melhor que os outros.

Tem a certeza que esta exposição foi "extremamente importante para Portugal" e que devido a ela o país "abriu uma porta para outro tipo de coisas". Ou seja, mostrou que Portugal sabia organizar grandes eventos.

Para Marina, a visita à Expo serviu para lhe mostrar outra mudança: a da zona que era um parque industrial degradado e que ficou totalmente remodelada. "Foi também uma forma de abrir fronteiras", reconhece. E de deixar marcas para o futuro como o Oceanário: "É um sítio muito bonito e que muita gente visita."

"Gostei muito, foi uma experiência muito boa", conclui.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.