Há fronteiras externas em Portugal sem controlo do SEF

A falta de pessoal no Serviço de Estrangeiros e Fronteiras tem criado "quebras de segurança pontuais", denuncia dirigente sindical. Hoje entram em estágio 45 novos inspetores

Ter ou não ter postos de controlo ativos do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) nas fronteiras externas do país é uma "questão de segurança nacional". Neste momento de ameaça terrorista europeia, alguns acessos e saídas do país estão sem controlo por causa "da falta de pessoal no SEF". Esta polícia "devia ter 1000 inspetores mas tem apenas 710". E amanhã começam a estagiar 45 novos elementos, o que "é uma gota no oceano".

"Pontualmente, há fronteiras aeroportuárias e marítimas de menor dimensão que encerram por não haver pessoal suficiente para manter os postos de controlo do SEF a tempo inteiro", denunciou, em declarações ao DN, Acácio Pereira, presidente do Sindicato da Carreira de Investigação e Fiscalização do SEF (SCIF/SEF). É grave, face ao atual contexto externo, "da ameaça terrorista e da crise migratória na União Europeia".

A falta de pessoal invocada pelo sindicato é considerável, sobretudo "face ao atual contexto europeu e global de ameaça terrorista". Hoje, 45 novos inspetores daquela polícia entram em estágio, numa cerimónia presidida pela ministra da Administração Interna.

O DN soube que a ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, vai receber amanhã em audiência o SCIF, numa reunião em que será informada de viva voz dos casos concretos em que terão ocorrido alegadas falhas na segurança por falta de pessoal. Também ficará a saber quais as fronteiras de menor importância que têm estado sem controlo pontual. O problema não está tanto nos Centros de Cooperação Policial e Aduaneira de Vilar Formoso e do Caia mas em alguns dos oito postos de controlo aeroportuários ou dos 11 postos marítimos sob a responsabilidade do SEF, referiu o dirigente sindical ao DN. Existem 21 postos de fronteira marítima sob o controlo do SEF: a Gare Marítima de Alcântara (em Lisboa); os portos de Leixões; Setúbal; Viana do Castelo; Sines; Figueira da Foz; Aveiro; Sesimbra, Peniche, Cascais; Nazaré; Olhão/ /Faro; o porto de Ponta Delgada e o Cais de Santa Cruz da Horta; o porto de Porto Santo (Madeira) e o de Angra do Heroísmo/Praia da Vitória (Açores); as marinas do Funchal - Madeira; Vilamoura; Portimão e Lagos.

Já os oito postos de fronteira aéreos sob o controlo do SEF são os aeroportos de Lisboa, Faro, Porto, Funchal e Porto Santo (estes dois na Madeira), e ainda, nos Açores, os aeroportos das Lajes, Santa Maria e Ponta Delgada.

Acácio Pereira garante que as consequências de ficarem a faltar 250 elementos do SEF para os que são necessários (contando já com os novos 45 inspetores), são várias. "Alguns departamentos encerram à noite por falta de gente, há outros funcionários que se desdobram em turnos, há controlos que não são feitos e há atrasos nas autorizações de residência para investimento (vistos gold).

Dezenas de ações preventivas

A acrescer ao problema da falta de efetivos está o aumento de trabalho para os que estão em funções com as "dezenas de ações de prevenção" no pós-atentados de Paris (13 de novembro de 2015). Operações que tiveram o seu pico em novembro e início de dezembro de 2015, em portos, aeroportos e gares de autocarros e que agora diminuíram de intensidade, soube o DN, embora continuem a ser feitas.

Nas primeiras semanas a seguir aos atentados de Paris, o SEF fiscalizou milhares de pessoas em várias operações para detetar imigrantes ilegais. Essas operações quase diárias dos inspetores deixaram a Unidade Habitacional do Porto e os três centros de instalação temporária dos aeroportos de Lisboa, Porto e Faro "no limite", como o DN noticiou a 17 de dezembro.

Nestes últimos, os detidos ficam por períodos curtos, enquanto na habitação podem estar até dois meses.

O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras tem preparado um projeto para levar à ministra da Administração Interna, para criar mais uma unidade habitacional na fronteira do Caia, em Elvas, aproveitando instalações que o serviço ali tem.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.