Há 76 pessoas já com alta médica que vão ter de passar o Natal num grande hospital

Há situações em que as famílias não podem receber os doentes, pessoas sozinhas e até crianças à espera de decisões das autoridades

Há 76 pessoas que vão passar o Natal nos maiores hospitais do país apesar de já terem tido alta clínica. Este foi o panorama descrito ao DN por cinco grandes unidades de saúde de Lisboa, Porto e Coimbra, um retrato de utentes que têm famílias sem condições para os receber em casa ou simplesmente vivem sozinhos, e que nem conta com as largas dezenas de pessoas que estão no hospital à espera de serem encaminhadas para os cuidados continuados: só o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra tem cerca de 70 doentes a aguardar vaga para ingressar na rede.

O Hospital Fernando Fonseca, inserido numa das zonas de maior pressão demográfica da região de Lisboa (Amadora e Sintra) é o que apresenta o maior número dos chamados casos sociais: tem nesta altura 36 pessoas que já não precisam de estar no hospital mas que não têm condições para regressar a casa. "São sobretudo idosos, com alta clínica que aguardam maioritariamente resposta da Segurança Social, para integração em lar", explica ao DN fonte do Amadora-Sintra, que salienta que, destes 36 utentes, 26 encontram-se em camas de retaguarda (lar), suportadas pelo hospital, e os restantes encontram-se em camas de vários serviços, destacando-se as Medicinas. "Temos ainda situações que aguardam orientação do Ministério Público (nomeação de tutor/curador), e outras aguardam organização da família para retorno a domicílio ou outra estrutura."

Ainda na zona da capital, o Centro Hospitalar de Lisboa Central, onde se incluem, por exemplo, os hospitais de São José e Capuchos (que servem algumas das zonas mais envelhecidas da cidade) tem neste momento 15 pessoas já com alta médica que ainda ali vão passar o Natal. Ao todo, neste ano a unidade registou até à passada terça-feira 266 casos deste género, mais 63 do que em todo o ano passado (um aumento de 45%), pessoas que ali ficam, em média, 19 dias e que tanto podem ser mais idosas como crianças. "Os dias de protelamento em crianças/jovens devem--se principalmente à aplicação de medidas de proteção de criança/jovem em risco (por deliberação do Tribunal de Família e Menores ou CPCJ) sem suporte familiar", adiantou ao DN fonte do centro, que enumerou ainda outras situações frequentes: "Alterações associadas à estrutura familiar atual, entre as quais a dificuldade em conciliar a vida profissional e familiar; incapacidade ou indisponibilidade das famílias para assumir o papel de principal cuidador; baixos recursos económicos; rede de suporte familiar inexistente; falta de resposta atempada da rede de suporte formal; diagnósticos clínicos que têm como consequência a dependência física e cognitiva."

Fora desta contabilização ficam os doentes que permanecem no centro hospitalar a aguardar vaga na Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados. "Não misturamos nestes dados porque são pessoas que continuam a precisar de cuidados de saúde", resume ao DN a presidente do conselho de administração do Lisboa Central. Para Ana Escoval, que também é professora na Escola Nacional de Saúde Pública, este é um fenómeno com solução muito difícil, que precisa de ser tratado numa dupla vertente. "A de saúde, principalmente de proximidade, nos cuidados primários, com apoio domiciliário, e da rede de cuidados continuados; e a componente social. A sociedade civil, as associações de doentes e as instituições particulares de solidariedade social (IPSS) têm uma grande importância no apoio a estes doentes" (ver entrevista).

O Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) também tem como política não misturar os dados dos casos sociais com o número de utentes que esperam por respostas nos cuidados continuados. "Com alta protelada por razões sociais, neste momento o CHUC tem apenas um caso" e tem "cerca de 70 doentes a aguardar vaga para ingressar na Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados. Importa esclarecer que há quem considere estes casos como "internamentos sociais" mas, para o serviço social, estes casos são doentes a aguardar outro nível de cuidados de saúde, os chamados cuidados continuados". Segundo a unidade de Coimbra, as principais causas das altas adiadas por razões sociais são a falta de condições sociais, "designadamente falta de habitação (caso dos sem-abrigo) ou habitação sem condições, insuficiência de recursos financeiros, sem retaguarda familiar (inexistência de cuidador informal), a que se junta falta de estrutura de acolhimento compatível com a situação financeira dos doentes e/ou das famílias".

Ainda mais a norte, no Centro Hospitalar de São João, encontram-se 16 pessoas com alta hospitalar que continuam a permanecer no hospital por motivos sociais, quase o dobro das nove que estavam na mesma situação no ano passado por esta altura. "As principais causas que dificultam a alta hospitalar destas pessoas são o isolamento social e a incapacidade das famílias para prestar os cuidados." Razões semelhantes às elencadas pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central (CHLC), que inclui o maior hospital do país, Santa Maria. "O envelhecimento progressivo, o aumento do índice de dependência, a sobrecarga familiar dos descendentes e o crescimento do número de doentes crónicos representam os fatores principais", respondeu ao DN o CHLC, que tem oito utentes nesta situação.

A indisponibilidade "está normalmente associada ao facto de os familiares estarem empregados, ou com idosos/menores a cargo, em que a sua capacidade de prestar apoio fica condicionada e agravada pela insuficiência de recursos financeiros e de serviços que permitam uma prestação de cuidados partilhada entre as redes de suporte formal e informal". O centro hospitalar que integra o Santa Maria destaca ainda o fenómeno da emigração, que faz que se registem situações em que os únicos familiares dos doentes residem fora do país. "Assistimos, ainda, a um crescente número de idosos dependentes, isolados e sem capacidade de decisão e consequente necessidade de sinalização ao Ministério Público para eventual processo de interdição." Por outro lado, a mesma fonte realça que o tempo de resposta aos pedidos de apoio económico para integração em lar (Santa Casa da Misericórdia e Segurança Social de Lisboa) "é moroso", e a Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados "não responde em tempo útil".

O Hospital Garcia de Orta, em Almada, e o Centro Hospitalar do Porto, onde se integra o Santo António, não disponibilizaram dados ao DN. A unidade do Norte argumentou que "os casos são muito diferentes, uns sociais, outros por falta de família, outros pelas doenças em questão".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.

Premium

Viriato Soromenho Marques

A política do pensamento mágico

Ao fim de dois anos e meio, o processo do Brexit continua o seu rumo dramático, de difícil classificação. Até aqui, analisando as declarações dos principais atores de Westminster, o Brexit apresenta mais as tonalidades de uma farsa. Contudo, depois do chumbo nos Comuns do Plano May, ficou nítido que o governo e o Parlamento britânicos não só não sabem para onde querem ir como parece não fazerem a mínima ideia de onde querem partir. Ao ler na imprensa britânica as palavras de quem é suposto tomar decisões esclarecidas, quase se fica ruborizado pelo profundo desconhecimento da estrutura e pelo modo de funcionamento da UE que os engenheiros da saída revelam. Com tamanha irresponsabilidade, não é impossível que a farsa desemboque numa tragicomédia, causando danos a toda a gente na Europa e pondo a própria integridade do Reino Unido em risco.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro: "O outro e o mesmo"

No tempo em que se punha pimenta na língua dos meninos que diziam asneiras, estudar Gil Vicente era uma lufada de ar fresco: ultrapassados os obstáculos iniciais daquela língua com borrifos de castelhano, sabia bem poder ler em voz alta numa aula coisas como "caganeira" e soltar outras tantas inconveniências pela voz das personagens. Foi, aliás, com o mestre do teatro em Portugal que aprendi a vestir a pele do outro: ao interpretar numa peça da escola uma das suas alcoviteiras, eu - que detesto arranjinhos, leva-e-traz e coscuvilhice - tive de esquecer tudo isso para emprestar credibilidade à minha Lianor Vaz. E talvez um bom actor seja justamente o que consegue despir-se de si mesmo e transformar-se, se necessário, no seu avesso. Na época que me coube viver, tive, aliás, o privilégio de assistir ao desempenho de actores geniais que souberam sempre ser outros (e o outro) a cada nova personagem.

Premium

Rogério Casanova

A longa noite das facas curtas

No terceiro capítulo do romance Time Out of Joint, o protagonista decide ir comprar uma cerveja num quiosque de refrigerantes que avistou à distância. Quando se aproxima, o quiosque de refrigerantes torna-se transparente, decompõe-se em moléculas incolores e por fim desaparece; no seu lugar, fica apenas um pedaço de papel, com uma frase inscrita em letras maiúsculas "QUIOSQUE DE REFRIGERANTES". É o episódio paradigmático de toda a obra de Philip K. Dick, na qual a realidade é sempre provisória e à mercê de radicais desestabilizações, e um princípio criativo cuja versão anémica continua a ser adoptada por qualquer produtor, realizador ou argumentista que procura tornar o seu produto intrigante sem grande dispêndio de imaginação.